Auxílio Emergencial: como saber se vou precisar devolver algum valor? Como será o pagamento?

Pontos-chave
  • Auxílio Emergencial deve ser devolvido pelos beneficiários que receberam indevidamente;
  • Valor a ser devolvido pode ser parcelado em até 60 meses;
  • Congresso debate retorno do auxílio emergencial de R$ 600.

Logo no final desta semana, o Governo Federal surpreendeu a todos com um anúncio sobre a devolução do Auxílio Emergencial. Esta obrigatoriedade se direciona a todos os brasileiros que receberam o benefício indevidamente nos anos de 2020 e 2021. 

Auxílio Emergencial: como saber se vou precisar devolver algum valor? Como será o pagamento?
Auxílio Emergencial: como saber se vou precisar devolver algum valor? Como será o pagamento? (Imagem: FDR)

A devolução do Auxílio Emergencial foi regulamentada por meio de um decreto publicado pelo Governo Federal nesta quinta-feira, 10. O texto apresenta todas as regras em torno deste processo, como quem deve restituir os valores, como e quando. O portal FDR reuniu todas essas informações para você em uma matéria completa, acompanhe na sequência.

Quem precisa devolver o Auxílio Emergencial indevido?

Deve devolver o Auxílio Emergencial, todo o cidadão brasileiro que, mesmo sem cumprir os critérios de elegibilidade estabelecidos pelo Governo Federal, recebeu o benefício indevidamente. Esta necessidade se direciona a qualquer período de vigência do programa entre os anos de 2020 e 2021.

O pagamento indevido pode ter ocorrido tanto por parte do beneficiário ao fornecer alguma informação errada durante o pedido, ou por parte do Governo Federal durante a avaliação e concessão. O erro também pode estar relacionado às revisões periódicas. 

Na prática, um cidadão que quando solicitou o auxílio cumpria todos os requisitos, mas com o passar do tempo passou a ter direito e ainda assim continuou recebendo. Independente do motivo e de quem foi o erro, será preciso que os respectivos valores retornem para os cofres da União. 

Para ter certeza sobre a necessidade ou não de devolver o Auxílio Emergencial, o cidadão será notificado pelo Governo Federal pelos seguintes meios:

  • Eletrônico – e-mail;
  • Mensagem de texto – SMS;
  • Banco;
  • Correios;
  • Pessoalmente;
  • Edital.

Como devolver o Auxílio Emergencial?

Para quem ainda tem dúvidas, é importante explicar que a devolução do Auxílio Emergencial recebido indevidamente deve ser feita através da emissão da Guia de Recolhimento da União (GRU) – Cobrança, cujo pagamento pode ser efetuado em qualquer instituição bancária. O valor a ser restituído pode ser pago à vista ou parcelado em até 60 meses. 

Além disso, é crucial que o valor de cada parcela não seja inferior a R$ 50. Segundo a Secretaria-Geral da Presidência da República, o beneficiário que não efetuar o pagamento das três primeiras parcelas, sejam elas consecutivas ou alternadas, terá o parcelamento cancelado.

Por outro lado, se o beneficiário notificado não estiver de acordo com a imposição de devolver o benefício, ele tem a oportunidade de contestar a decisão por meio de uma defesa feita pelo portal do Ministério da Cidadania.

Se o beneficiário não devolver o Auxílio Emergencial indevido voluntariamente, ele receberá uma cobrança extrajudicial. E se ainda assim a quantia não for devolvida, o cidadão será inscrito na dívida ativa da União, podendo ter o nome inscrito em cadastros de restrição de crédito como o Serasa, sendo limitado a realizar certas transações financeiras.

Por outro lado, se o cidadão que recebeu o benefício indevidamente, teria que devolver menos de R$ 50, ele está isento do pagamento.

Novo Auxílio Emergencial de R$ 600

Enquanto isso, o Congresso Nacional voltou a debater a possibilidade de voltar a conceder o Auxílio Emergencial no valor de R$ 600. Porém, o Ministério da Cidadania mantém firme a decisão de não prorrogar ou relançar o projeto que, durante o período mais crítico da pandemia da Covid-19, conseguiu amparar cerca de 39 milhões de famílias vulneráveis.

Ainda assim, vários políticos não medem esforços na tentativa de retomar o Auxílio Emergencial de R$ 600. É o caso do deputado federal, Renildo Calheiros, que ressaltou a importância do benefício para milhões de brasileiros que permanecem desassistidos nesta pandemia que não tem previsão para acabar.

O parlamentar ainda pontuou a situação dos milhares de brasileiros que não foram incluídos no programa que substituiu o Auxílio Emergencial e o Bolsa Família, o Auxílio Brasil, em vigor desde novembro de 2021.

Desta forma, muitas pessoas continuam precisando driblar as necessidades para manter a subsistência própria e da família enquanto arcam com despesas de moradia e alimentação que são cruciais.

Dados oficiais do próprio Ministério da Cidadania afirmam que, aproximadamente, 25 milhões de brasileiros ficaram desamparados com o fim do Auxílio Emergencial em outubro do ano passado, mês em que pagou a sétima e última parcela referente à última renovação do programa social. 

De acordo com o chefe da pasta, o ministro João Roma, apenas uma parcela composta por três milhões de pessoas foram consideradas elegíveis ao Auxílio Brasil e devidamente incluídas na nova transferência de renda.

MAIS LIDAS

×

Deixe as notícias mais recentes encontrarem você

Você pode ficar a par das melhores notícias financeiras e atualizado dos seus direitos com apenas uma coisa: o seu email!

Laura Alvarenga
Laura Alvarenga é graduada em Jornalismo pelo Centro Universitário do Triângulo em Uberlândia - MG. Iniciou a carreira na área de assessoria de comunicação, passou alguns anos trabalhando em pequenos jornais impressos locais e agora se empenha na carreira do jornalismo online através do portal FDR, onde pesquisa e produz conteúdo sobre economia, direitos sociais e finanças.