‘Dinheiros esquecidos’: nascidos até 1968 já podem agendar saque; saiba como

O agendamento para saque de ‘dinheiros esquecidos’ por pessoas físicas e jurídicas, nascidas e consolidadas até 1968 começa nesta segunda-feira, 7. Todo o procedimento de consulta e agendamento deve ser feito pelo site Valores a Receber, conforme viabilizado pelo Banco Central (BC). 

Em meio a ampla divulgação, a consulta dos ‘dinheiros esquecidos’ está disponível desde o dia 13 de fevereiro. Ao acessar o site o cidadão deve informar alguns dados pessoais como o número do CPF e a data de nascimento para saber se tem ou não algum saldo parado. Se tiver, na mesma página ele será informado sobre o dia e o horário em que deverá acessar a plataforma novamente para resgatar a quantia. 

Contudo, é preciso fazer um agendamento, para que a forma de retirada dos valores seja combinada junto à instituição responsável pelo respectivo gerenciamento do saldo em questão. Esta primeira etapa do resgate de ‘valores esquecidos’ vai até a próxima sexta-feira, 11. O agendamento deve ser feito na data mencionada durante a consulta entre 4h e 24h. Se o usuário perder o prazo ele tem mais uma chance na repescagem do dia 12 de março. 

Se mesmo com a repescagem o agendamento não foi realizado, o procedimento poderá ser retomado somente a partir do dia 28 de março. É importante estar ciente de que, feito o pedido, a instituição financeira tem o prazo de 12 dias úteis para transferir os ‘dinheiros esquecidos’.

Segundo informações do BC, cerca de 114 milhões de pessoas físicas e 2,7 milhões de pessoas jurídicas já acessaram o site de consultas criado pela entidade para verificar se existe algum ‘dinheiros esquecidos’. Do total de buscas, 25,9 milhões de pessoas físicas e 253 mil pessoas jurídicas foram positivamente surpreendidas pela possibilidade de resgatar algum saldo. 

A recuperação dos valores deve ser feita pelo portal Gov.br, exclusivamente por usuários que possuem contas no nível prata ou ouro. Para quem não sabe, as contas nível bronze, prata ou ouro.

A conta bronze é a mais simples de todas, e permite apenas o acesso para consultas sobre assuntos relacionados ao Governo Federal, como o Meu INSS, bem como dados na Receita Federal, incluindo o portal do Centro de Atendimento Virtual (e-CAC). Já as contas prata e ouro liberam funcionalidades mais específicas aos usuários, normalmente envolvendo temas financeiros e econômicos.

O cidadão tem a possibilidade de elevar o nível da conta bronze para prata através do aplicativo Gov.br. Mas para isso, o acesso deve ser feito usando os dados bancários de uma das agências credenciadas junto ao Governo Federal. Posteriormente, se houver o interesse de incremento para a conta nível ouro, será preciso aguardar a liberação por parte do Governo Federal.

Passo a passo para a retirada de valores

  • Passo 1 – Acessar o site de consulta na data e período informado para saque do primeiro período. Quem se esquecer deve aguardar até o dia 7 de março;
  • Passo 2 – Fazer login na plataforma Gov.br através de conta nível prata ou ouro. Quem não possuir conta junto ao Governo deve criar um cadastro e, de preferência, fazer o acesso usando os dados bancários para atingir o nível prata. Não é recomendado criar a conta e elevar o nível no dia de agendamento do resgate;
  • Passo 3 – Leia e aceite o termo de responsabilidade;
  • Passo 4 – Verifique o valor a receber que será devolvido pela instituição de origem;
  • Passo 5 – Clique na opção indicada: “Solicitar por aqui”. A instituição financeira não irá oferecer a devolução via PIX. O usuário deverá entrar em contato pelo telefone ou e-mail informado para combinar a forma de retirada.

MAIS LIDAS

×

Deixe as notícias mais recentes encontrarem você

Você pode ficar a par das melhores notícias financeiras e atualizado dos seus direitos com apenas uma coisa: o seu email!

Laura Alvarenga
Laura Alvarenga é graduada em Jornalismo pelo Centro Universitário do Triângulo em Uberlândia - MG. Iniciou a carreira na área de assessoria de comunicação, passou alguns anos trabalhando em pequenos jornais impressos locais e agora se empenha na carreira do jornalismo online através do portal FDR, onde pesquisa e produz conteúdo sobre economia, direitos sociais e finanças.