Petrópolis: população desabrigada terá auxílio de R$ 1 mil

Há exatamente uma semana a cidade de Petrópolis começou a enfrentar um dos piores cenários de todos os tempos. As fortes chuvas que atingiram a cidade resultaram em um desastre natural através de deslizamentos e enchentes, deixando milhares de pessoas desabrigadas, estabelecimentos e residências destroçadas, mortos e feridos.

Como uma forma de amparar, ainda que minimamente a população de Petrópolis, o prefeito Rubens Bomtempo declarou ter firmado um acordo junto ao governador do Estado do Rio de Janeiro (RJ), Cláudio Castro, na tentativa de elevar o valor pago através do programa aluguel social. A partir de agora, o auxílio será de R$ 1 mil por família.

Do total do benefício, R$ 800 serão pagos pelo estado e R$ 200 pelo município. É importante mencionar que, além dos residentes de Petrópolis que já fazem parte da iniciativa, os demais que se encontram alojados em escolas e outros abrigos serão automaticamente cadastrados como beneficiários do programa.

Para quem ainda não sabe, o aluguel social é um benefício cujo propósito é possibilitar às famílias com necessidades a alugar quartos ou casas até que se restabeleçam.

“Precisamos cuidar daqueles que ficaram. Dar o aluguel social em uma área fora de risco. Nem que seja um aluguel improvisado de seis meses ou um ano, com o objetivo de ser algo paliativo para construir uma solução definitiva. Essa foi uma decisão importante”, disse o prefeito.

Além do aluguel social, a prefeitura de Petrópolis também estuda a concessão do Cartão Imperial com um benefício de R$ 70 mensais para as vítimas das enchentes em Petrópolis, mas ainda não houve uma confirmação. Segundo informações da administração municipal, cerca de 967 pessoas estão desabrigadas e acolhidas nas 19 escolas públicas da cidade.

Com base em informações do Corpo de Bombeiros na última segunda-feira, 21, o número de mortes em Petrópolis já chegou a 181, se consolidando como o maior registro da cidade. Até então, a pior catástrofe havia assolado a Cidade Imperial no ano de 1988, época em que 171 pessoas morreram e outras 104 foram dadas como desaparecidas.

Na tarde de ontem, 21, a Defesa Civil municipal acionou novamente as sirenes situadas nas proximidades das áreas de risco. A medida precisou ser tomada em decorrência da previsão de chuva moderada a forte. Neste sentido, os moradores também foram comunicados via mensagem de texto e por aplicativos de celular.

De acordo com um balanço parcial divulgado pela Secretaria Municipal de Transportes, seis ônibus tiveram perda total e vários outros foram encaminhados para manutenção. Os veículos chamaram atenção nos últimos dias após várias pessoas ficarem presas nele durante as enchentes. Algumas foram resgatadas, mas infelizmente, outras não sobreviveram.

Enquanto isso, as buscas por vítimas seguem por toda Petrópolis. Na oportunidade, o Corpo de Bombeiros informou que 24 pessoas foram resgatadas com vida. No intuito de ampliar ainda mais a força de trabalho, mais de 150 militares de 15 estados e do Distrito Federal foram incorporados à rede de busca, além de outros 500 da corporação fluminense.

MAIS LIDAS

×

Deixe as notícias mais recentes encontrarem você

Você pode ficar a par das melhores notícias financeiras e atualizado dos seus direitos com apenas uma coisa: o seu email!

Laura Alvarenga
Laura Alvarenga é graduada em Jornalismo pelo Centro Universitário do Triângulo em Uberlândia - MG. Iniciou a carreira na área de assessoria de comunicação, passou alguns anos trabalhando em pequenos jornais impressos locais e agora se empenha na carreira do jornalismo online através do portal FDR, onde pesquisa e produz conteúdo sobre economia, direitos sociais e finanças.