Máscaras N95 ou PFF2 passam a ser obrigatórias no Ceará; quanto elas custam?

As recomendações e exigências quanto ao uso de máscaras faciais de proteção foram aprimoradas. No Ceará, a partir desta segunda-feira, 24, os cidadãos locais deverão usar, obrigatoriamente, as máscaras N95 ou PFF2. 

No entanto, é importante mencionar que esta exigência se refere exclusivamente aos trabalhadores de serviços essenciais. Ou seja, a medida abrange funcionários que atuam diretamente com o público, como em farmácias, supermercados, escolas e afins. 

Por enquanto, a medida não se estende aos funcionários da parte administrativa, embora devam continuar fazendo o uso de máscaras faciais para diminuir os riscos de infecção por Covid-19. Vale mencionar que, apesar das recomendações e obrigatoriedades, o demais público que desejar também pode optar pelo uso dos modelos N95 ou PFF2 por livre e espontânea vontade. 

O anúncio foi feito há alguns dias pelos governador do Estado do Ceará, Camilo Santana, concedendo um prazo de uma semana para que os estabelecimentos comerciais providenciassem os novos modelos de máscaras para os funcionários. O período de adaptação aconteceu entre os dias 17 a 23 de janeiro, para que todos já estivessem no clima para cumprir a nova regra a partir de hoje. 

De acordo com o governo cearense, a obrigatoriedade sobre o uso destas máscaras está relacionada a estudos e pareceres de especialistas científicos que as declaram como as mais seguras na prevenção contra a infecção por Covid-19 e quaisquer outros vírus cuja infecção possa ocorrer pela via respiratória. 

É importante explicar que o fornecimento do equipamento de proteção individual (EPI) será uma responsabilidade dos empregadores. Segundo o secretário-executivo da Associação Cearense de Supermercados (Acesu), Antônio Sales, as redes comerciais estão trabalhando em conjunto na compra do item no intuito de conseguir algum desconto dos fornecedores. 

“Esse é mais um custo adicional desde o início da pandemia, pois as máscaras são mais caras que as usadas atualmente”, declarou o secretário-executivo da associação. Na oportunidade, ele ainda evidenciou o encarecimento nos preços dos EPIs em contrapartida à escassez no mercado local em virtude da demanda elevada. 

Enquanto isso, nas escolas municipais de Fortaleza, a aquisição será de 380 mil máscaras que serão distribuídas no decorrer do ano letivo. Neste sentido, a Secretaria de Educação do Ceará (Seduc), disse estar adotando as providências cabíveis para o processo de aquisição dos itens para os profissionais da área. A previsão é para que o ano letivo comece no dia 31 de janeiro presencialmente.

Enquanto isso, o presidente do Sindicato do Comércio de Varejistas dos Produtos Farmacêuticos do Estado (Sincofarma/CE), Antônio Félix, disse que não há meios para assegurar que a partir de hoje, todos os setores considerados essenciais estarão com a N95. Isso porque, o produto está em falta no mercado, o que irá gerar um problema diante de tal imposição no momento.

Preço Médio

As máscaras N95 ou PFF2 exigidas dos funcionários de serviços essenciais têm um custo médio de R$ 18 o pacote com dez unidades. A média foi apurada com base nos preços cobrados em lojas famosas no mercado online. 

Essas máscaras devem ser trocadas de três a quatro vezes ao dia, logo, estima-se que um pacote com dez unidades pode durar até três dias. A partir daí, é possível fazer uma média de gastos frequentes e custos com esse EPI, notando que não será tão acessível quanto os demais modelos, sobretudo em virtude da escassez atual.

MAIS LIDAS

×

Deixe as notícias mais recentes encontrarem você

Você pode ficar a par das melhores notícias financeiras e atualizado dos seus direitos com apenas uma coisa: o seu email!

Laura Alvarenga
Laura Alvarenga é graduada em Jornalismo pelo Centro Universitário do Triângulo em Uberlândia - MG. Iniciou a carreira na área de assessoria de comunicação, passou alguns anos trabalhando em pequenos jornais impressos locais e agora se empenha na carreira do jornalismo online através do portal FDR, onde pesquisa e produz conteúdo sobre economia, direitos sociais e finanças.