Greve de ônibus em Belo Horizonte provoca crise e deixa moradores sem transporte

Os motoristas de ônibus de Belo Horizonte estão realizando uma greve desde a meia-noite desta segunda-feira (22). A greve de ônibus foi uma decisão tomada pelo STTRBH (Sindicato dos Trabalhadores Rodoviários de Belo Horizonte).

A decisão de paralisar as operações do transporte coletivo foi tomada pelo STTRBH. A categoria reivindica:

  • Reajuste salarial de 9%;
  • Tíquete-alimentação de R$ 800;
  • Tíquete no atestado;
  • Fim do banco de horas;
  • Pagamento do abono salarial de 2019 e 2020.

A Justiça do Trabalho determinou que, no mínimo, 60% da frota permaneçam em operação durante a greve de ônibus. Com isso, os moradores continuaram tento transporte, porém, em número reduzido.

O 1º Vice-Presidente do TRT da 3ª Região, desembargador Fernando Luiz Gonçalves Rios Neto, que determinou a operação da frota, mesmo durante a greve de ônibus, informou que será aplicado uma multa de R$ 50 mil em caso de descumprimento da decisão.

O sindicato informou que o pedido será cumprido e, com isso, 60% da frota permanecerá em funcionamento. Na última sexta-feira (19), motoristas de ônibus de BH realizam uma paralisação e fecharam a Avenida Antônio Carlos.

Com isso, foi formada uma fila de coletivos que começa na trincheira da Avenida Santa Rosa até a barragem da Pampulha, no sentido centro. Após as 18h o trânsito voltou a fluir de forma gradativa.

A categoria reivindicou a participação nas reuniões entre a prefeitura e o SetraBH (Sindicato das Empresas de Transporte de Passageiros de Belo Horizonte), informou o diretor de relações sindicais do Sindicato dos Trabalhadores Rodoviários de Belo Horizonte e Região, Sérgio Duarte.

Porém, não houve negociações e, por esse motivo, está marcado para esta segunda (22), uma nova paralisação. O SetraBH informou que o protesto foi provocado por um grupo que não tem ligação com o Sindicato.

Outra problemática é sobre o reajuste anual da tarifa unitária. Segundo o prefeito Alexandre Kalil (PSD), não haverá reajuste de passagem no final deste ano, permanecendo em R$ 4,50.

Porém, o presidente do SetraBH, Raul Lycurgo, informou que entrou com uma ação na Justiça para que seja cumprido o contrato, que prevê aumento anual e a revisão tarifária a cada quatro anos.

Consequências da greve de ônibus em BH

De acordo com informações divulgadas pela BHTrans, apenas 30% das viagens programadas estavam sendo realizadas no horário das 6h.

Em seguida, na faixa das 7h, pelo menos 41% da frota voltava a funcionar. Com isso, pelo menos 96 mil usuários deixaram de ser atendidos pelo transporte público nos horários da manhã.

A confusão se instalou por várias estações, criando aglomeração e estresse. Já que centenas de pessoas dependem do transporte público para ir ao trabalho, universidade, entre outros afazeres.

MAIS LIDAS

×

Deixe as notícias mais recentes encontrarem você

Você pode ficar a par das melhores notícias financeiras e atualizado dos seus direitos com apenas uma coisa: o seu email!

Glaucia Alves
Gláucia Alves é formada em Letras-Inglês pela Universidade Federal Rural de Pernambuco (UFRPE). Atuou na área acadêmica durante 8 anos. Em 2020 começou a trabalhar como corretora de redação. Atualmente, trabalha na equipe do portal FDR, produzindo conteúdo sobre economia e direitos da população brasileira, onde já acumula anos de pesquisa e experiência. Além de realizar consultoria de redação on-line.