Com aprovação da PEC dos Precatórios veja quem poderá ter pagamentos atrasados

Pontos-chave
  • . O texto visa trazer mudanças no pagamento das dívidas, com o parcelamento em dez anos.;
  • A pauta foi aprovada em primeiro turno na Câmara dos Deputados na última quinta-feira (4);
  • A pauta segue agora para a votação em 2º turno na Câmara dos Deputados, na próxima terça-feira (9);

A PEC dos Precatórios está em discussão no Congresso Nacional. O texto visa trazer mudanças no pagamento das dívidas, com o parcelamento em dez anos. A pauta foi aprovada em primeiro turno na Câmara dos Deputados na última quinta-feira (4).

Os Precatórios são dívidas, com valores superiores ao mínimo pago nas Requisições de Pequeno Valor (RPVs), expedidas pelo Judiciário após condenação definitiva cobrada ao Estado. O pagamento acontece em um lote anual até o mês de julho, dos autorizados até 1º de julho do ano anterior.

A PEC dos Precatórios prevê a mudança taxa de correção da dívida, que atualmente é o IPCA-E, para a Selic. Além disso, sugere que seja feita o parcelamento em dez anos das dívidas maiores que 2,6% da receita corrente líquida da União, ou seja, maiores que R$ 455 mil.

Diante disso, a prioridade é pagar as dívidas menores de 60 salários mínimos. Além disso, a PEC dos Precatórios não altera o que é determinado na Constituição Federal da prioridade de pagar aqueles relacionados a benefícios e salários.

O que a PEC dos Precatórios pretende é estabelecer um limite anual para a expedição dos pagamentos. Esse limite será calculado, com base nos pagamentos efetuados entre os anos de 2016 até 2021.

A estimativa, segundo especialistas previdenciários, é que esse teto de pagamento seja de aproximadamente R$ 40 bilhões para 2022. Porém, o governo indica uma despesa de R$ 89 bilhões para o próximo ano.

A pauta segue agora para a votação em 2º turno na Câmara dos Deputados, na próxima terça-feira (9). Após aprovação, a PEC 23/2021 seguirá para o Senado Federal para análise e votação. Por fim, caso seja aprovado deve ser sancionado pelo presidente.

As dívidas poderão atrasar com a PEC dos Precatórios?

De acordo com especialistas previdenciários, as dívidas expedidas no início do ano terão mais chances de serem pagas. Isso porque, caso o teto já tiver sido atingido o pagamento pode ficar para o próximo lote.

Segundo Adriane Bramante, presidente do IBDP (Instituto Brasileiro de Direito Previdenciário), “Isso vai virar uma bola de neve”. Ela explica que no ano seguinte, além dos precatórios superpreferenciais e os alimentares, também será preciso pagar os que foram expedidos e que ultrapassaram o teto.

Precatórios com desconto

O texto também sugere que o pagamento com desconto de até 40% para os que receberem o valor à vista, por meio de acordo em juízos de conciliação. De acordo com o texto também ficarão de fora do teto aqueles que optarem por usar o crédito para:

  • Pagar débitos com o Fisco;
  • Comprar imóveis públicos à venda;
  • Pagar outorga de serviços públicos;
  • Comprar ações colocadas à venda de empresas públicas;
  • Comprar direitos do ente federado na forma de cessão, incluindo-se a antecipação de valores devidos pelo excedente em óleo nos contratos de partilha para a exploração de petróleo, no caso da União.

Nova taxa de atualização

Atualmente, os precatórios são atualizados pela taxa IPCA-E (Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo Especial). Porém, a PEC prevê substituir essa taxa pela Selic (Sistema Especial de Liquidação e Custódia) que é a taxa básica de juros da economia.

Segundo o vice-presidente do IBDP, Diego Cherulli, a atualização dos precatórios por meio da taxa Selic vai contra a Constituição Federal. Dessa maneira, deve ser levado para o Supremo Tribunal Federal (STF), caso aprovado.

O STF definiu que não se pode aplicar uma taxa de juros para atualizar um precatório. Sendo assim, como a taxa Selic é apenas uma reposição dos juros e não uma correção, essa não deve ser usada nos precatórios.

Votação da PEC dos Precatórios

Na última quarta-feira (4) aconteceu a votação da PEX no primeiro turno. O texto foi aprovado por 312 votos contra 144, sendo que com 308 já garantia a vitória. Dessa maneira, a sua aprovação aconteceu de forma acirrada.

A próxima votação, marcada para amanhã (13), também deve enfrentar dificuldades para a provação, segundo o deputado federal Rodrigo Maia (sem partido-RJ). Segundo ele, alguns partidos, como o PDT e o PSDB, articulam mudar o voto da legenda.

MAIS LIDAS

×

Deixe as notícias mais recentes encontrarem você

Você pode ficar a par das melhores notícias financeiras e atualizado dos seus direitos com apenas uma coisa: o seu email!

Glaucia Alves
Gláucia Alves é formada em Letras-Inglês pela Universidade Federal Rural de Pernambuco (UFRPE). Atuou na área acadêmica durante 8 anos. Em 2020 começou a trabalhar como corretora de redação. Atualmente, trabalha na equipe do portal FDR, produzindo conteúdo sobre economia e direitos da população brasileira, onde já acumula anos de pesquisa e experiência. Além de realizar consultoria de redação on-line.