Auxílio Brasil: Quem vai receber? Pagamento começa em breve como novo Bolsa Família

Pontos-chave
  • O governo vai começar a pagar o auxílio brasil neste mês de novembro;
  • Os pagamentos serão maiores que o do Bolsa Família;
  • O novo programa deve pagar um benefício de cerca de R$400 para os cadastrados.

No dia 17 de novembro, o novo programa social do governo, o Auxílio Brasil, vai entrar em vigor. O valor médio pago será de 20% a mais sobre o valor médio pago no Bolsa Família, que hoje paga R$189 para as famílias.

Auxílio Brasil: Quem vai receber? Pagamento começa em breve como novo Bolsa Família
Auxílio Brasil: Quem vai receber? Pagamento começa em breve como novo Bolsa Família (Foto: FDR)

Estarão inclusos automaticamente os 14 milhões de já beneficiados com o Bolsa Família. Os demais vão depender de uma triagem feita pelo sistema em que vai usar como base os dados disponíveis no Cadastro Único.

Valor do novo Bolsa Família

O novo programa terá cerca de nove modalidades de benefícios. As três primeiras são a base do novo programa e as outras complementam o que o governo determinou como ferramenta de inserção socioeconômica.

A Proposta de Emenda à Constituição (PEC) dos precatórios. A proposta é que os benefícios fiquem assim:

  • Benefício Primeira Infância: R$ 90,00 por mês, por integrante, até o limite de 5 pessoas por família; 
  • Benefício Composição Familiar: R$ 45,00 por mês, por integrante, até o limite de 5 pessoas por família; 
  • Benefício de Superação da Extrema Pobreza: calculado por integrante e pago por família. Considera a diferença entre o valor da linha de extrema pobreza e a renda mensal per capita da família e será de no mínimo R$ 10 por integrante familiar.

Complemento dos benefícios

  • Auxílio Esporte Escolar: 12 parcelas mensais de R$ 100,00 e uma parcela única de R$ 1.000,00 por família; 
  • Bolsa de Iniciação Científica Júnior: 12 parcelas mensais de R$ 100,00 e uma parcela única de R$ 1.000,00 por família; 
  • Auxílio Criança Cidadã: R$ 200,00 por mês para crianças matriculadas em creches de turno parcial R$ 300,00 por mês para crianças matriculadas em creches de turno integral;​​
  • Auxílio Inclusão Produtiva Rural: R$ 200,00 por mês para famílias de agricultores familiares; 
  • Auxílio Inclusão Produtiva Urbana: R$ 200,00 por mês para famílias com integrantes que comprovem vínculo de emprego formal.
  • Benefício Compensatório de Transição: pago por família, para que o Auxílio Brasil não seja menor que o Bolsa Família.
Auxílio Brasil: Quem vai receber? Pagamento começa em breve como novo Bolsa Família
Auxílio Brasil: Quem vai receber? Pagamento começa em breve como novo Bolsa Família (Foto: FDR)

Qual o valor?

A primeira parcela do benefício não será no valor de R$400, o valor médio deve ser de R$230 levando em conta com os reajustes de 20% no pagamento médio atual do programa Bolsa Família, que o valor era de R$190.

Em dezembro, os beneficiários devem receber o valor de R$400, que vai durar até dezembro do ano que vem, como já havia sido anunciado pelo presidente Jair Bolsonaro.

Com isso, a folha de pagamento do programa em dezembro deve contar com o valor reajustado de R$230 e um auxílio transitório no valor de cerca de R$170 e assim totalizando R$400.

Onde serão realizados os depósitos do benefício?

Os depósitos devem ser realizados em dias úteis e pode ser sacado com o cartão do Bolsa Família nos caixas eletrônicos, nos correspondentes Caixa Aqui e Lotéricas. Ainda não foi informado nenhuma mudança na forma de recebimento do benefício.

Como me cadastrar?

Para receber é preciso realizar cadastro no CadÚnico, um sistema do governo que reúne todas as informações socioeconômicas dos brasileiros, inscritos neste programa podem ter acesso a benefício pagos pelo governo como Bolsa Família, Auxílio Brasil e entre outros.

Os beneficiários que estão em busca de saber se vão receber o Auxílio Brasil,  ainda não podem realizar consulta da lista de quem terá direito ao benefício.

Quem pode se inscrever no CadÚnico?

  • Famílias com renda mensal de até meio salário mínimo por pessoa (R$ 550);
  • Famílias com renda mensal total de até três salários mínimos (R$ 3.300);
  • Famílias com renda maior que três salários mínimos, desde que o cadastramento esteja vinculado à inclusão em programas sociais nas três esferas do governo;
  • Pessoas que moram sozinhas – constituem as chamadas famílias unipessoais;
  • Pessoas que vivem em situação de rua — sozinhas ou com a família.

Como se inscrever?

A inscrição no CadÚnico só pode ser realizada de forma presencial, por isso, o cidadão deve verificar onde é realizado o procedimento na cidade onde mora. 

Normalmente, os atendimentos são realizados no Centros de Referência de Assistência Social (CRAS) ou em postos de atendimento do Cadastro Único e do Programa Bolsa Família das prefeituras.

Documentação exigida no Cadastro Único 

A documentação necessária para realizar a sua inscrição é:

  • Certidão de Nascimento;
  • Certidão de Casamento;
  • CPF;
  • Carteira de Identidade – RG;
  • Carteira de Trabalho;
  • Título de Eleitor;
  • Registro Administrativo de Nascimento Indígena (RANI) – somente se a pessoa for indígena.

Quem pode fazer parte do cadastro?

O CadÚnico não é apenas um cadastro para as pessoas com deficiência e sim um cadastro familiar.

Podem fazer parte do cadastro: o requerente, o cônjuge ou companheiro, os pais e, na ausência de um deles, a madrasta ou padrasto, os irmãos solteiros, os filhos e enteados solteiros e os menores tutelados, desde que vivam no mesmo endereço. Documentos de toda família devem ser levados para realização do cadastro.

MAIS LIDAS

×

Deixe as notícias mais recentes encontrarem você

Você pode ficar a par das melhores notícias financeiras e atualizado dos seus direitos com apenas uma coisa: o seu email!

Jheniffer Freitas
Jheniffer Aparecida Corrêa Freitas é formada em Jornalismo pela Universidade de Mogi das Cruzes. Atuou como assessora de imprensa da Secretaria de Segurança Pública do Estado de São Paulo e da Secretarial Estadual da Saúde de São Paulo. Há dois anos é redatora do portal FDR, onde acumula bastante experiência em produção de notícias sobre economia popular e finanças.