Inadimplência volta a bater recorde no Brasil; ESTAS dicas podem te ajudar a negociar suas dívidas

Pontos-chave
  • O número de inadimplentes aumentou em 4 milhões em um ano;
  • O maior volume de dívidas está no setor de bancos e cartões;
  • As dívidas podem ser negociadas por meio de um planejamento.

O Brasil registrou novo recorde de inadimplência. Em maio deste ano, o número de endividados aumentou para 66,6 milhões. Este é o maior número desde 2016, começo da série histórica. Os dados são do Indicador Serasa Experian de Inadimplência do Consumidor, divulgados nesta segunda-feira (11).

publicidade
Inadimplência volta a bater recorde no Brasil; estas dicas podem te ajudar a negociar suas dívidas
Inadimplência volta a bater recorde no Brasil; estas dicas podem te ajudar a negociar suas dívidas (Imagem: Montagem/FDR)

Em comparação a maio do ano passado, o nível de inadimplência aumentou em 4 milhões de endividados. Já desde o início deste ano, o número de CPFs negativados elevou em 1,8 milhões de brasileiros.

No levantamento recente, o total das dívidas chega a R$ 278,3 bilhões. Isso representa uma média de R$ 4.179,50 por dívida. Esse aumento acontece em meio ao panorama atual de juros e inflação altos. A atividade econômica vem apresentando dificuldades para prosseguir.

publicidade

Ao analisar os estados do país, São Paulo tem o maior número de inadimplentes (15,6 milhões). Logo após, aparecem Rio de Janeiro (6,7 milhões), Minas Gerais (6,3 milhões), Bahia (4,1 milhões) e Paraná (3,5 milhões). Na outra ponta, o estado com menos endividados é Roraima (218,9 mil).

Inadimplência por segmento

O maior volume de dívidas dos consumidores se concentra no segmento de bancos e cartões, com 28,2%. Logo após, aparece o setor de contas básicas (água, luz e gás), com 22,7%. Na terceira posição, ficam os segmentos de varejo e empresas de financiamento, com 12,5% cada um.

Segundo o economista da Serasa Experian, Luiz Rabi, já era esperado o aumento da inadimplência. Apesar disso, ele destaca ser possível melhorar a situação.

Ele declara que os consumidores devem continuar se organizando financeiramente e usando ferramentas disponíveis — como o saque do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) — para buscar tirar o nome do vermelho.

Dicas para negociar as dívidas

A inadimplência é um problema que muitos brasileiros passam ou já passaram. Segundo a Serasa. Para negociar as dívidas, o primeiro passo é fazer listas. Elas são essenciais para o consumidor reorganizar seu orçamento.

Estas são algumas listas que o cidadão pode fazer para começar a negociar dívidas e reequilibrar as finanças:

publicidade
  • Liste todas as dívidas em cartões de crédito, empréstimo, financiamento, carnês, boleto e cheque especial.
  • Crie uma tabela com seu orçamento mensal, ou seja, tu do o que entra e sai da conta bancária.
  • Faça uma lista de cortes que podem ser realizados no seu orçamento com o auxílio de toda a família.
  • Liste ideias para gerar renda extra. Busque o que pode ser realizado para complementar o seu orçamento.
  • Liste tudo o que pode ser vendidos, como itens que não são mais usados.

Para sair das dívidas, é necessário saber quanto poderá pagar. Estabeleça uma quantia limite para negociar — e não assuma um compromisso com o qual não poderá arcar.

A pessoa inadimplente também precisa considerar os imprevistos. Geralmente, as pessoas acreditam no melhor cenário, e não preveem um ‘plano B” para cobrir possíveis imprevistos — como perda de emprego, doenças familiares e consertos de aparelhos.

publicidade

Quando for planejar o pagamento de dívidas, a pessoa deve reservar uma quantia mensal para cobrir eventuais imprevistos. O cidadão precisa ser cauteloso e se prevenir de novas dívidas desnecessárias. Com tudo isso no papel, chegou a hora de negociar.

A negociação de dívidas pode feita por meio de alguns passos
A negociação de dívidas pode feita por meio de alguns passos (Imagem: Montagem/FDR)

Estabeleça uma estratégia de negociação das dívidas

Antes de realizar a negociação com o credor, o inadimplente deve pensar nos argumentos que apresentará. Para isso, vale levar todos os documentos que comprovarão sua capacidade de pagamento.

publicidade

Diante disso, o cidadão pode elaborar uma lista de perguntas a serem feitas antes de assinar a negociação. Por exemplo:

  • Em percentual, qual será o desconto sobre a dívida total?
  • Caso pague à vista, posso ter direito a um desconto maior?
  • Se parcelar, quais serão os juros?
  • Após o pagamento, em quanto tempo terei meu nome limpo?
  • Quando pagar, eu receberei uma carta de quitação?

Caso ainda reste alguma dúvida, a pessoa não pode decidir por impulso. Neste caso, o cidadão deve solicitar para que seja feita a proposta de negociação por escrito.

Clique aqui e aperte o botão "Seguir" para você ser o primeiro a receber as últimas informações sobre este assunto no seu celular!

publicidade

O inadimplente pode levar esse documento para casar, conversar com os familiares e voltar, posteriormente, com uma contraproposta. Ou, caso exista concordância, basta retornar para assinar o contrato de negociação.

MAIS LIDAS

×

Deixe as notícias mais recentes encontrarem você

Você pode ficar a par das melhores notícias financeiras e atualizado dos seus direitos com apenas uma coisa: o seu email!

Silvio Souza
Silvio Suehiro Souza é formado em Comunicação Social - Jornalismo pela Universidade de Mogi das Cruzes (UMC). Desde 2019 dedica-se à redação do portal FDR, onde tem acumulado experiência e vasto conhecimento na área ligada a economia, finanças e investimentos. Além disso, Silvio produz análises sobre produtos e serviços financeiros, sempre prezando pela imparcialidade e informações confiáveis.