Como saber se o meu nome está sujo e o que fazer para limpá-lo?

65 milhões de brasileiros estavam com o nome sujo em março, de acordo com a Serasa. A condição, ligada à piora da situação econômica do país e ao descontrole financeiro, especialmente, pode gerar muita dor de cabeça para os consumidores. Muitos deles, no entanto, nem sabem que tiveram o nome inscrito nos serviços de proteção ao crédito.

publicidade

Neste artigo, explicaremos como fazer a consulta para saber se seu nome está sujo e o que fazer para limpar o nome. Confira!

Quando o consumidor fica com o nome sujo?

A inadimplência é caracterizada quando o consumidor não paga uma dívida dentro do prazo previsto. Mas para se tornar oficialmente inadimplente, é necessário que o nome do consumidor seja inscrito em serviços de proteção ao crédito, como Serasa e SPC.

As empresas credoras estão autorizadas a inscrever o nome dos consumidores logo no dia seguinte ao vencimento da dívida. Mas normalmente elas esperam um determinado período de atraso, que geralmente é de 30 dias.

publicidade

No caso de dívidas com o governo ou órgãos públicos, a inadimplência se dá quando o consumidor tem o nome inscrito na dívida ativa da União, o que costuma ocorrer após 1 ano de atraso.

A inadimplência pode trazer consequências bem danosas para o consumidor, como não conseguir empréstimos e outras formas de crédito, ficar com o CPF irregular e não conseguir renovar matrícula na faculdade. Em casos graves, bens como veículos e automóveis, ou saldo de contas bancárias, podem ser bloqueados para o pagamento da dívida.

Como saber se o meu nome está sujo?

Normalmente, as empresas enviam uma carta ou notificação para o consumidor, informando que ele ficará inadimplente em breve. Os serviços de proteção ao crédito também podem enviar notificações informando que o consumidor pode ficar com o nome sujo em dez dias, caso não quite a dívida.

Existem três serviços de proteção ao crédito principais no Brasil e cada um oferece canais de consulta diferentes. Confira:

A consulta é gratuita, mas é necessário fazer um cadastro prévio para realizá-la pelo site ou app. Cabe destacar que cada serviço de proteção ao crédito reúne empresas diferentes. Desse modo, é possível que o seu nome esteja em um deles e não esteja nos demais, por exemplo.

publicidade

Como limpar meu nome?

Para tirar seu nome dos serviços de proteção ao crédito é necessário pagar a dívida ou fazer um acordo de pagamento.

Em alguns casos, a dívida pode ser paga usando o mesmo boleto original. Em outros, é preciso entrar em contato com a empresa ou até mesmo ir a um cartório (nos casos em que a dívida foi judicializada) para conseguir pagar o débito.

Também é recomendado tentar um acordo para reduzir ou parcelar a dívida, que cresce conforme os juros e a multa por atraso são aplicados sobre ela. As empresas podem oferecer altos descontos e o consumidor também pode aproveitar feirões ou procurar serviços especializados em renegociação de dívidas.

publicidade

Depois que o acordo é fechado, a empresa deve retirar o nome do consumidor da lista de inadimplentes, num prazo máximo de 5 dias. Mesmo prazo é aplicado em caso de pagamento da dívida.

Uma dica é tentar trocar a dívida atual por um empréstimo com juros menores. Também é possível fazer a portabilidade de empréstimos, quando se troca a dívida da instituição atual para outra que ofereça melhores condições de pagamento.

A dívida acaba em 5 anos?

Não. 5 anos é o tempo máximo que o consumidor pode ficar com o nome nos serviços de proteção ao crédito. Depois disso, ele fica com o nome limpo, mas ainda terá a dívida.

publicidade

MAIS LIDAS

×

Deixe as notícias mais recentes encontrarem você

Você pode ficar a par das melhores notícias financeiras e atualizado dos seus direitos com apenas uma coisa: o seu email!

Amaury Nogueira
Amaury da Silva Nogueira é bacharelando em Letras/Edição pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG). Apaixonado pelo universo da escrita, atua há dois anos como redator e realiza pesquisas sobre história da edição no Brasil. Além disso, atualmente pesquisa também sobre direitos e benefícios sociais para agregar conhecimento na redação do portal de notícias FDR.