Alunos de escolas públicas poderão ter internet de graça; votação ocorre no Senado

Durante uma sessão ordinária realizada na noite desta segunda-feira, 18, na Câmara dos Deputados, foi aprovada a Medida Provisória (MP) que prevê a criação de um programa que disponibiliza internet de graça. Contudo, o benefício se limita aos alunos de escolas públicas pertencentes a famílias de baixa renda inscritas no Cadastro Único (CadÚnico). 

O texto atual foi editado de modo a restringir ainda mais o projeto vetado pelo presidente da República, Jair Bolsonaro, em março do ano passado. Na ocasião, a proposta girava em torno de um repasse para os Estados e o Distrito Federal, com o propósito de promover melhorias na internet e conectividade da rede pública do ensino básico. Na época, o veto foi derrubado pelo Congresso Nacional. 

Agora, foi aprovado um texto-base em uma votação simbólica. A MP que dispõe sobre a internet de graça para alunos de baixa renda será oficialmente apreciada nesta terça-feira, 19.

Durante a análise, os deputados poderão fazer sugestões ao texto. Se aprovado sem impasses, ele seguirá para o mesmo trâmite no Senado Federal, onde deve ser votado até o dia 17 de maio, prazo final de validade da proposta. 

De acordo com o relator do texto, o deputado Sidney Leite, a medida conta com alguns dispositivos considerados um tanto quanto estranhos em relação ao projeto original de 2021. Tratam-se de artigos que dispõem sobre a regularização de concessionárias de radiodifusão que tenham solicitado a renovação da concessão, permissão ou autorização. 

Para o presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira, a medida provisória aborda a comunicação. “Comunicação envolve telecomunicações e envolve radiodifusão. Então numa medida justa o tema não é tido como estranho pela mesa diretora”, explicou. 

Como funcionará a internet de graça?

Na prática, o texto da MP sugere que a internet de graça para alunos de baixa renda seja concedida mediante a distribuição de chips, pacotes de dados ou dispositivos de acesso à internet a alunos da educação básica. 

Entretanto, é essencial que estejam matriculados na rede pública de ensino, em escolas das comunidades indígenas e quilombolas, bem como nas escolas especiais sem fins lucrativos, desde que atuem exclusivamente nesta modalidade. 

De acordo com a MP, caso a família de baixa renda possua mais de um jovem na rede pública de ensino, cada um deles terá direito particular e exclusivo à internet gratuita no modelo de banda larga móvel.

A expectativa é que o programa seja implementado gradativamente, de acordo com a disponibilidade do Orçamento, requisitos técnicos para a oferta de serviços e outras determinações a serem estabelecidas pelo Ministério das Comunicações.

MAIS LIDAS

×

Deixe as notícias mais recentes encontrarem você

Você pode ficar a par das melhores notícias financeiras e atualizado dos seus direitos com apenas uma coisa: o seu email!

Laura Alvarenga
Laura Alvarenga é graduada em Jornalismo pelo Centro Universitário do Triângulo em Uberlândia - MG. Iniciou a carreira na área de assessoria de comunicação, passou alguns anos trabalhando em pequenos jornais impressos locais e agora se empenha na carreira do jornalismo online através do portal FDR, onde pesquisa e produz conteúdo sobre economia, direitos sociais e finanças.