Governo do RN vai pagar R$ 500 para 600 pessoas órfãos na pandemia

Governo do Rio Grande do Norte aprova auxílio para órfãos na pandemia. Nessa terça-feira, a governadora Fátima Bezerra informou que estará liberando abonos de R$ 500 para os jovens em situação de vulnerabilidade social que perderam seus pais pela covid-19. O benefício poderá durar por anos.

Governo do RN vai pagar R$ 500 para 600 pessoas órfãos na pandemia (Tânia Rêgo/Agência Brasil)
Governo do RN vai pagar R$ 500 para 600 pessoas órfãos na pandemia (Tânia Rêgo/Agência Brasil)

Diante do número de vítimas pelo novo coronavírus, diversos estados passaram a elaborar políticas públicas sociais para auxiliar seus familiares.

No Rio Grande do Norte, o jovem que perdeu o pai ou a mãe, ou ambos, pela doença, receberão um salário de R$ 500 por mês.

A previsão é de que cerca de 600 pessoas sejam beneficiadas. Intitulado de Nordeste Acolhe, o projeto passará a funcionar ao longo dos próximos meses, mediante a triagem do governo do estado. A confirmação se deu no evento de posse no Conselho Estadual de Assistência Social.

Detalhes da proposta

Aprovada pelos governadores do Nordeste nessa segunda-feira (19), o projeto será desenvolvido também em demais estados. Para isso, funcionará em parceria com o  Consórcio Interestadual de Desenvolvimento Sustentável do Nordeste (Consórcio Nordeste).

Terá o direito de receber o abono todas as crianças e adolescentes que ficaram órgãos na pandemia. Para isso será preciso comprovar a situação de vulnerabilidade social, sem fonte de renda declarada.

CONTINUA APÓS A PUBLICIDADE
OPORTUNIDADE
imagem do cartão
Você foi selecionado para ter um cartão de crédito, sem anuidade hoje mesmo.
Faça sua aplicação!
277 pessoas solicitando no momento...

“Isso é uma ação do estado, que tem a obrigação de fazer. Não vai trazer a ‘mãezinha’ ou o ‘paizinho’ de volta. Mas é uma forma do estado amparar um pouco essas crianças e reduzir o impacto dessas mortes, desses traumas que com certeza ficaram na vida dessas crianças“, disse a governadora Fátima Bezerra.

A gestora enfatizou que a ação será válida para quem perdeu o pai ou a mãe, não podendo ser ofertada duplamente caso haja o falecimento de ambos.

“Essas crianças de vulnerabilidade social, as pobres, são elas que vão receber um auxílio social no valor de R$ 500 até completar a maioridade“.

No que diz respeito a implementação em outros estados, a proposta será encaminhada para às Assembleias Legislativas de cada região durante o mês de agosto. Atualmente, quem vem trabalhando com uma política pública similar é o governo de São Paulo.

Eduarda Andrade
Maria Eduarda Andrade é mestranda em ciências da linguagem na Universidade Católica de Pernambuco, formada em Jornalismo pela mesma instituição. Enquanto pesquisadora, atua na área de políticas públicas, economia criativa e linguística, com foco na Análise Crítica do Discurso. No mercado de trabalho, passou por veículo impresso, sendo repórter do Diario de Pernambuco, além de assessorar marcas nacionais como Devassa, Heineken, Algar Telecom e o Grupo Pão de Açúcar. Atualmente, dedica-se à redação do portal FDR.