13º salário do INSS: Porque Bolsonaro atrasou antecipação do benefício?

Pontos-chave
  • Antecipação do 13º salário do INSS continua indefinida;
  • A medida havia sido confirmada por Bolsonaro na última semana;
  • Adiantamento do 13º salário do INSS depende da sanção do Orçamento de 2021.

Recentemente, o presidente Jair Bolsonaro afirmou que a autorização que dispõe sobre a antecipação do 13º salário do INSS seria anunciada ainda esta semana. O comunicado gerou expectativas entre os segurados e pensionistas do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS).

13º salário do INSS: Porque Bolsonaro atrasou antecipação do benefício?
13º salário do INSS: Porque Bolsonaro atrasou antecipação do benefício? (Imagem: Reprodução/Google)

Porém, agora os beneficiários se encontram frustrados devido à falta de um parecer decisivo sobre antecipação do benefício. Mesmo após a aprovação da Lei Orçamentária Anual (LOA) que prevê o orçamento para 2021, o presidente ainda não sancionou o texto, impedindo a liberação da verba.

A proposta de antecipação do 13º salário do INSS faz parte das medidas que visam amenizar os impactos econômicos provenientes da pandemia da Covid-19.

A ação foi confirmada pelo ministro da Economia, Paulo Guedes, que na ocasião declarou que o pagamento precoce seria capaz de injetar R$ 50 bilhões na economia brasileira. 

Mesmo após análise pelo Congresso Nacional, o ministro reconheceu que o Projeto de Lei (PL) ainda não está em condições adequadas de ser executado. Isso porque, um dos pontos do texto dispõe sobre o corte de R$ 26,46 bilhões de gastos obrigatórios para o Governo Federal.

É o caso de benefícios previdenciários, o abono salarial do PIS/Pasep, além do benefício trabalhista do seguro-desemprego.

O presidente Jair Bolsonaro confirmou que o Governo Federal tem se empenhado para divulgar o mais breve possível o calendário do 13º salário do INSS.

A declaração referente à possibilidade de o calendário do 13º salário do INSS ser divulgado na próxima semana foi dada pelo presidente Bolsonaro, durante uma reunião junto à Caixa Econômica Federal (CEF) no Palácio do Planalto. 

“Caso o orçamento seja aprovado hoje [quinta-feira, 25], poderemos na próxima semana antecipar a primeira parcela do 13º para aposentados e pensionistas do INSS. Isso equivale a aproximadamente R$ 50 bilhões”, afirmou.

No ano de 2020, a antecipação do 13º salário do INSS aconteceu entre os meses de abril e maio, gerando um impacto integral de R$ 47,2 bilhões. Em contrapartida, o adiamento deste benefício poderá contemplar 31 milhões de beneficiários cadastrados no INSS. 

Esta alternativa foi divulgada pelo ministro da Economia, Paulo Guedes, ainda no mês de fevereiro deste ano. Ela é vista como uma ação de simples execução para a equipe econômica, uma vez que não requer crédito extraordinário.

Além do que, a proposta de estimular o consumo aconteceria de acordo com orçamento estabelecido pelo próprio Governo Federal, sendo que apenas antecipa a data deste acontecimento.

Para a economista, Ana Claudia Alem, a intenção vedada do Governo Federal consiste na intenção de vetar alguns trechos específicos do Orçamento de 2021 junto ao Congresso Nacional, no intuito de evitar o desgaste político.

Esta é a razão pela qual ela acredita que a antecipação da primeira parcela do 13º salário do INSS será disponibilizada somente após a solução de todos os impasses referentes a despesas obrigatórias. 

“O problema é que eles não previram que o Orçamento fosse aprovado dessa forma. As alterações no Congresso levaram o dinheiro da União para as emendas parlamentares e a um corte de algumas despesas obrigatórias, como Previdência”, ressaltou a economista. 

13º salário do INSS: Porque Bolsonaro atrasou antecipação do benefício?
13º salário do INSS: Porque Bolsonaro atrasou antecipação do benefício? (Imagem: Reprodução/Google)

Adiamento do abono salarial

Mesmo levando em consideração todas as alterações propostas pelo parlamento, o PL do Governo Federal subestima cerca de R$ 17,57 bilhões nos gastos obrigatórios, tendo em vista as projeções baseadas em quantias inferiores ao salário mínimo vigente.

Agora, o adiamento do abono salarial para o ano de 2022 resultou na economia de R$ 7,4 bilhões, embora o Governo ainda precise custear a mudança feita pelo Congresso Nacional na margem de R$ 36,6 bilhões. 

“Para cumprir o teto de gastos, para horar despesas obrigatórias, o Governo terá que fazer um contingenciamento de despesas discricionárias, também chamadas de custeio e investimento, aquelas que o Governo pode ou não executar. O corte vai ter que ser tão forte que pode inviabilizar o funcionamento da máquina pública. Sem resolver isso, a antecipação para os aposentados não sai”, explicou. 

Gostou do conteúdo? Siga @fdrnoticias no Instagram e FDR.com.br no Facebook para ver as últimas notícias que impactam diretamente no seu bolso e nos seus direitos.

MAIS LIDAS

×

Deixe as notícias mais recentes encontrarem você

Você pode ficar a par das melhores notícias financeiras e atualizado dos seus direitos com apenas uma coisa: o seu email!

Laura Alvarenga
Laura Alvarenga é graduada em Jornalismo pelo Centro Universitário do Triângulo em Uberlândia - MG. Iniciou a carreira na área de assessoria de comunicação, passou alguns anos trabalhando em pequenos jornais impressos locais e agora se empenha na carreira do jornalismo online através do portal FDR, onde pesquisa e produz conteúdo sobre economia, direitos sociais e finanças.