Investe no Tesouro Direto? ESTE é o método para incluir valores na declaração do IR em 2021

O número de investidores no Tesouro Direto cresceu 52,76% em 2019, segundo os dados do Tesouro Nacional. Dessa maneira, 1,2 milhão de pessoas aplicam ativamente dinheiro nos títulos do governo. Com isso, esses investidores precisam incluir os valores na Declaração do Imposto de Renda 2021.

Investe no Tesouro Direto? ESTE é o método para incluir valores na declaração do IR em 2021

De acordo com o Tesouro Nacional, os títulos que obtiveram investidores em 2019 foram os que estão ligados à taxa Selic. Mais precisamente, esses títulos tiveram um aumento em 45,84% nas vendas no ano citado.

O Imposto de Renda para no Tesouro Direto é cobrado de forma regressiva, ou seja, quanto mais tempo ficar o valor investido, menos o contribuinte terá que pagar de imposto. Atualmente, a alíquota mínima paga é de 15% que incide sobre o rendimento do período.

Dessa maneira, o tributo é calculado com base no tempo de aplicação. O Imposto de Renda cobrará do Tesouro Direto no resgate do valor investido ou no vencimento dos títulos.

O desconto é automático, ou seja, é retido diretamente na fonte, e segue a seguinte tabela de tributação:

  • 22,5% sobre o lucro em aplicações de até 180 dias;
  • 20% em 15 aplicações de 181 a 360 dias;
  • 17,5% em aplicações de 361 a 720 dias;
  • 15% em aplicações acima de 720 dias.

Diante disso, na hora de fazer a Declaração do Imposto de Renda 2021 é necessário informar o saldo e os rendimentos de cada investimento no Tesouro. Esses dados estão disponíveis nos informes enviados pelo banco ou corretora.

A declaração dos ganhos no Tesouro Direto pode ser feitos no aplicativo da Receita Federal disponível para smartphone e computador. Porém, antes de começar a fazer, é preciso estar em mãos com o Informe de Rendimentos deste ano.

Com esse documento, você deve acessar o aplicativo da Receita e clicar na opção “Rendimentos Sujeitos à Tributação Exclusiva/Definitiva”. Em seguida, deve escolher o tipo de rendimento e optar pelo “Rendimentos de aplicações financeiras”.

Logo após, deve escolher o tipo de beneficiário e incluir o CNPJ da Fonte Pagadora. O aplicativo também solicitará o nome da Fonte e o saldo do Tesouro Direto equivalente ao valor de aquisição, de 31 de dezembro do ano retrasado até 31 de dezembro do ano fiscal vigente. Lembre de informar o rendimento líquido.

Glaucia AlvesGlaucia Alves
Gláucia Alves, formada em Letras-Inglês pela Universidade Federal Rural de Pernambuco (UFRPE). Foi professora por 7 anos. Esse ano começou a trabalhar como redatora e como corretora de redação. Atualmente, trabalha na equipe do portal FDR e realiza consultoria de redação on-line.