Prêmios de títulos públicos abrem o dia em queda; foco está na atuação do Tesouro Nacional e do Banco Central

Os prêmios dos títulos públicos apresentaram queda, nesta terça-feira (13). Apesar disso, os investidores estão atentos ao Tesouro Nacional e ao Banco Central, pois eles anunciaram mudanças na oferta desses títulos federais e nas operações compromissadas. Isso devido a alta demanda do mercado por instrumentos de curto prazo.

Prêmios de títulos públicos abrem o dia em queda; foco está na atuação do Tesouro Nacional e do Banco Central
Prêmios de títulos públicos abrem o dia em queda; foco está na atuação do Tesouro Nacional e do Banco Central (Imagem/Reprodução Google)

Esses títulos são emitidos pelo governo federal para financiar suas atividades e quem investe, comprando papéis da dívida brasileira, recebe um retorno financeiro. Em meio às dificuldades governamentais de financiamento no mercado financeiro, haverá mudanças na oferta desse investimento.  

Até a tarde da última sexta-feira (9), no Tesouro Direto, o título indexado à inflação (com vencimento em 2035) pagava uma taxa anual de 4,05%, ante 4,13% ao ano. Se o juro fosse pago com vencimento para 2026, cedia cedia de 2,80% para 2,76% ao ano.

Nos papéis prefixados, o que vencia em 2026 oferecia um um prêmio anual de 7,23%, frente 7,29% ao ano. O juro pago pelo Tesouro Prefixado, com juros semestrais e vencimento em 2031, recuava de 7,94% para 7,88% ao ano.

Segundo revisão feita pelo mercado financeiro, haverá queda de 5,03% para o Produto Interno Bruto (PIB) brasileiro este ano, ante estimativa de contração de 5,02% na semana anterior. O relatório Focus divulgado pelo Banco Central nesta manhã indica que a atividade crescerá 3,50% em 2021.

Em um cenário de aumento de preços, estímulos fiscais e monetários para minimizar os impactos da Covid-19, economistas elevaram, pela nona semana consecutiva, as projeções para a inflação medida pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA): de 2,12% para 2,47% (em 2020).

Já para 2021, a previsão é de alta a 3,02%, frente projeção anterior de IPCA a 3,00%. As projeções para a taxa Selic foram mantidas em 2,00% ao ano, em dezembro, e em 2,50%, ao fim de 2021.

MAIS LIDAS

×

Deixe as notícias mais recentes encontrarem você

Você pode ficar a par das melhores notícias financeiras e atualizado dos seus direitos com apenas uma coisa: o seu email!

REDAÇÃO
Cobertura e repercussão de assuntos que impactam o bolso de todos os brasileiros. A redação do FDR.com.br traz diariamente assuntos relevantes de uma forma descomplicada e confiável.
×

Este cartão de crédito sem anuidade está selecionando pessoas para receber possível limite agora!

VER AGORA