O Pix é uma nova modalidade de pagamentos do Banco Central que estará disponível à partir do dia 16 de novembro, visando agilidade nas transferências, pagamentos instantâneos de contas em geral e recolhimento de taxas e impostos.

publicidade
Conheça o PIX: a nova solução de pagamentos instantâneos do Banco Central
Conheça o PIX: a nova solução de pagamentos instantâneos do Banco Central (Imagem: Google)
publicidade

Ao contrário do TED, DOC e boletos que têm restrições de valores, cobrança de taxas e podem levar dias para ser realizado, o Pix permitirá realizar transferências e pagamentos em qualquer horário e dia da semana, inclusive feriados. As transações podem ser feitas, por exemplo, às 22h de um domingo. E serão concluídas em até dez segundos.

Caso o valor transferido seja inserido incorretamente, o recebedor poderá utilizar a função de devolução no mesmo instante, de forma total ou parcial.

Qual será a taxa cobrada pela utilização do Pix?

O Banco Central estabeleceu que o Pix será gratuito para pessoas físicas, podendo enviar e receber transferências e pagamentos sem custo algum. Os usuários pessoa jurídica deverão assumir o custo da transação – que será mais baixo que dos demais meios de pagamento já em circulação.

Como serão feitos os pagamentos com o Pix?

A nova modalidade de pagamento poderá ser utilizada em estabelecimentos físicos, lojas online ou para realização de transferências entre pessoas, empresas e instituições do governo. Para quem recebe, haverá a necessidade de informar uma das chaves Pix cadastradas ou um QR Code. Já quem paga acessará o aplicativo de seu banco para efetuar o pagamento.

Chaves do Pix

Não será necessário também anotar ou informar código todos os seus dados pessoas e bancários para receber ou realizar uma transferência. Será preciso apenas uma chave do Pix – tipo o nome de usuário (@) de uma rede social. Poderão ser registradas até cinco chaves por conta, dentre elas: CPF, e-mail, número de celular ou uma combinação numérica.

Tal chave ficará vinculada ao banco que realizou o cadastro. Uma chave usada em um banco, não poderá ser usada também para outro.

QR Code e NFC

Dois tipos de QR Code poderão ser utilizados na modalidade. Os dinâmicos, que mudam a cada operação; e os estáticos, que poderá ser utilizado em múltiplas operações e podem ter um valor já definido no código. Para efetuar o pagamento, basta apontar a câmera do celular, como já acontece em outros aplicativos semelhantes.

O Pix também realizará pagamentos sem contato, através do NFC. Parecido com o QR Code, porém mais rápido. Basta aproximar o aparelho celular ao invés de fazer a leitura do QR Code com sua câmera.

Saques

Em breve, você poderá realizar saques utilizando a solução de pagamentos em qualquer estabelecimento. Por exemplo, você transfere a quantia para uma loja de roupas ou um supermercado e recebe o dinheiro espécie no mesmo instante.

Todos vão querer o seu PIX

Todos os bancos e instituições financeiras que possuem mais de 500 mil clientes deverão oferecer o PIX como forma de pagamento através de seus aplicativos e serviços digitais. Nubank, Bradesco entre outros bancos e instituições financeiras já iniciaram o pré-cadastro. Sua chegada provocará uma verdadeira corrida pelas chaves dos usuários.

Guilherme Moreira é formado em Criação e Produção Audiovisual pelo CBM (Centro Universitário Barão de Mauá). Atuou como roteirista, produtor e editor do SBT interior e na redação de blogs e sites informativos. Atualmente, trabalha como social media e redator do portal FDR.