O maior desafio enfrentado pelos professores de Manaus neste momento é garantir que o aprendizado híbrido, que consiste em aulas presenciais e a distância, seja eficaz nesta reabertura das escolas particulares da capital. Manaus foi a primeira capital do Brasil a reabrir escolas, e nesta quinta-feira (6) completou um mês do retorno presencial dos alunos.

publicidade
Manaus completa 1 mês com funcionamento das escola em sistema híbrido
Manaus completa 1 mês com funcionamento das escola em sistema híbrido (Imagem Google)
publicidade

De acordo com a vice-presidente do Sindicato dos Estabelecimentos de Ensino Privado do Estado do Amazonas (Sinepe-AM), Laura Vital, 70% casa escolas particulares já estão operando de forma híbrida. Segundo ela, este formato de ensino mudou a rotina dos professores.

“Se for fazer um comparativo entre o antes e o depois da pandemia, com relação ao pedagógico, trabalhar as aulas com as turmas completas era bem melhor. Tínhamos a presença de todos os alunos. Agora, precisamos trabalhar de forma duplicada, de forma redobrada. De um, a gente virou quatro”, explicou.

Entre as medidas de segurança tomadas estão a colocação de Barreiras acrílicas entre as cadeiras dos alunos, tapete antisséptico para limpeza dos sapatos e cumprimentos somente por meio de sinais, para simbolizar abraços. Tudo isso é parte do novo normal colocado pelas escolas.

Durante a suspensão das aulas presenciais, grande parte das escolas particulares ofertaram atividades on-line para os alunos.

O governo do Amazonas transmite desde o mês de março, aulas nos canais abertos de televisão através do projeto “Aula em Casa”, que atende alunos das escolas públicas do Estado e Município.

Novo normal em salas de aula

No momento da autorização da reabertura das escolas privadas, a Fundação de Vigilância em Saúde, divulgou uma cartilha que continha 68 normas e recomendações de segurança para a volta gradual das aulas presenciais nas escolas.

Entre elas, a lotação das salas limitada a 50% da capacidade com distanciamento entre cadeiras, rodízio entre alunos nas escolas, disponibilização de álcool em gel e uso obrigatório de máscaras.

As escolas também tiveram a autorização de aplicar medidas de segurança particulares, de acordo com suas necessidades e realidade. No início do dia, os alunos do Ensino Fundamental precisam ler uma cartilha com os cuidados que precisam ser tomados contra o coronavírus.

Para aumentar a segurança foram colocados também um tapete sanitização, encharcado com sabão líquido na entrada da escola e a instalação de barreiras acrílicas nas carteiras dos alunos.

Paulo Henrique Oliveira, formado em Jornalismo pela Universidade Mogi das Cruzes e em Rádio e TV pela Universidade Bandeirante de São Paulo, atua como do redator do portal FDR produzindo matérias sobre economia em geral e também como repórter do site Aparato do Entretenimento cobrindo o mundo da TV e das artes.