Nubank: Guia completo para você decidir se vale a pena usar a NuConta

PONTOS CHAVES

  • Nubank oferece conta digital com taxas zero
  • Solicitações são feitas gratuitamente pelo aplicativo
  • Plataforma permite transações, saques, criação de boletos e mais

Considerado um dos principais bancos digitais em todo o território nacional, o Nubank está cada vez mais em expansão. Nos últimos anos, veio realizando uma série de atualizações, permitindo que seus clientes tenham acesso aos principais serviços financeiros, sem precisar pagar anuidade e demais taxas. 

Nubank: Guia completo para você decidir se vale a pena usar o NuConta (Imagem: Reprodução – Google)

Entre os produtos mais requisitados no último ano, está a NuConta, plataforma digital que funciona como uma espécie de conta corrente online. No texto abaixo explicaremos todos os detalhes da plataforma. 

O que é a NuConta? 

Trata-se de uma conta digital que permite que seus clientes realizem pagamentos, transferências e crie seus próprios boletos.

Além disso, os clientes conseguem também guardar valores como uma espécie de conta poupança, fazendo com que os mesmos gerem rendimentos aplicados em títulos públicos federais ou privados emitidos pelo próprio Nubank. 

NuConta funciona como uma conta corrente? 

Não, apesar de ofertar os mesmos serviços das demais instituições bancárias, a NuConta não permite que o dinheiro dos clientes seja vinculado aos seus próprios recursos. Além disso, os valores aplicados não podem ser utilizados para investimentos em nome da marca.  

A principal diferença entre o Nubank e os os bancos tradicionais é que ele não permite a realização de contratos de serviços como empréstimos e também não funciona como conta corrente tradicional.  

Segundo o Banco Central, essas contas podem ser: 

  • Pré-pagas: o cliente deposita o dinheiro para utilizar em pagamentos no futuro (assim funciona a NuConta); 
  • Pós-pagas: o cliente usa um limite pré-aprovado e paga a conta depois (cartão de crédito) 

Quais serviços são disponibilizados?

Os clientes que criarem uma NuConta podem ter acesso a uma série de serviços bancários, sendo eles:  

  • Pagamento de contas; 
  • Recebimento de salário; 
  • Função débito; 
  • Guardar dinheiro: permite separar uma quantia que não é afetada quando a pessoa paga contas ou saca algum valor; 
  • Empréstimo pessoal com taxas entre 2% e 5% ao mês; 
  • Saque na boca do caixa (está disponível na rede Banco 24 Horas, mas cada operação custa R$ 6,50). 

Como abrir uma NuConta?

Para poder ter uma NuConta, o usuário precisa se conectar por meio do aplicativo ou site do Nubank. O procedimento é inteiramente digital e solicita apenas o nome completo, número do CPF e foto do RG.  

A marca não cobra pela criação do serviço e também não obriga seu cliente a solicitar o cartão de crédito Nu. Depois de fazer o registro, é só aguardar pela aprovação que acontece em até 24h.  

Como sacar dinheiro da NuConta?

Por não ter agências físicas, o Nubank solicita que seus clientes façam saques através das modalidades digitais, sendo elas: 

  • Transferência entre contas: basta mandar o valor desejado para uma conta de qualquer instituição financeira e assim fazer a retirada em um caixa eletrônico;  
  • Saque na rede Banco 24h: nesse caso, o cliente precisa pagar uma tarifa de R$ 6,50 por transação, independentemente do valor da mesma.
Nubank: Guia completo para você decidir se vale a pena usar o NuConta (Imagem: Reprodução – Google)

Como transferir dinheiro para a NuConta? 

O processo de transferência pelo Nubank é simples e permite duas funções: 

  • Transferência eletrônica (TED): as taxas variam de acordo com cada instituição bancária, mas o Nubank não cobra por esse serviço se for feito entre contas Nu; 
  • Depósito por boleto bancário: nesse caso é só gerar um boleto digital, emitir a guia e pagar em qualquer unidade financeira. Ao quitar a cobrança, o valor será enviado diretamente para a conta titular do carnê.  

A NuConta funciona como investimento?  

Sim! Quem desejar aplicar direito pela plataforma tem acesso a dois tipos de aplicações: 

  • Lastro em títulos públicos ou privados: os valores investidos são aplicados em papéis do governo ou investimentos do Fundo Garantidor de Créditos; 
  • Rendimento guiado pela Selic: nessa modalidade as aplicações têm um rendimento similar a taxa básica de juros do país (selic), sendo alteradas em qualquer modificação baseada pela mesma.  
Eduarda Andrade
Maria Eduarda Andrade é mestranda em ciências da linguagem na Universidade Católica de Pernambuco e formada em Jornalismo pela mesma instituição. Enquanto pesquisadora, atua na área de políticas públicas, economia criativa e linguagens. No mercado de trabalho, já passou por veículo impresso, sendo repórter do Diario de Pernambuco, além de ter assessorado marcas nacionais como a Devassa, Heineken, Algar Telecom e o Grupo Pão de Açúcar. Atualmente, dedica-se à redação do portal FDR.