Benefícios complementares do Bolsa Família 2024 devem ser reajustados

Pontos-chave
  • O pagamento do Bolsa Família considera a composição familiar;
  • Os benefícios complementares foram criados neste ano;
  • Em 2024 podem haver reajustes nos bônus pagos por pessoa.

O Bolsa Família não é composto por um valor único, os benefícios complementares são somados a quantia fixa e assim resultam no valor cheio pago a cada mês. Esses benefício extras devem fazer parte do programa no próximo ano, com potencial para serem reajustados.

Benefícios complementares do Bolsa Família 2024 devem ser reajustados
Benefícios complementares do Bolsa Família 2024 devem ser reajustados (Imagem: FDR)

O pagamento do Bolsa Família voltou a ser oficialmente feito em março deste ano. Quando Luiz Inácio Lula da Silva (PT) assumiu o governo do país pela terceira vez, em janeiro, ele trouxe de volta o nome do programa que havia sido recriado por Jair Bolsonaro (PL) entre os anos de 2021 e 2022.

O intuito da equipe social de Bolsonaro na época era criar uma marca do seu próprio governo, já que o Bolsa ainda era muito ligado a gestão petista. Ao retornar para o comando do país, Lula tratou de esquecer o Auxílio Brasil como estava sendo chamado, e recriou o Bolsa Família com novidades.

Entre as novidades o pagamento de benefícios complementares, valores extras para famílias mais numerosas e que possuem crianças, jovens e gestantes. A proposta foi citada por Lula durante a campanha eleitoral quando ele criticou o fato do Auxílio Brasil pagar todas as famílias com valor igual. 

Ao longo deste ano foram surgindo benefícios diferentes. Começou em março, em junho outro foi criado e por fim em outubro começou a valer outro tipo de auxílio. Juntos, eles foram responsáveis pelo pagamento médio de R$ 670 por mês para cada contemplado pelo Bolsa neste ano, segundo o próprio governo.

Benefícios complementares no valor do Bolsa Família 2024

Os benefícios complementares do Bolsa Família também foram criados para atingir uma meta estabelecida pelo Ministério do Desenvolvimento Social. Nela fica garantido que cada pessoa da família tenha acesso a no mínimo R$ 142,00 por mês, uma quantia usada como piso para sobrevivência.

Quanto mais pessoas dentro dos critérios que dão acesso aos bônus, maior será o valor final recebido por aquele grupo. A composição da quantia final vai levar em consideração:

  • Valor fixo: R$ 600 para cada família
  • Benefício Primeira Infância (BPI): Acréscimo de R$ 150 por criança com idade entre zero e sete anos incompletos;
  • Benefício Variável Familiar (BVF): Adicional de R$ 50 para gestantes e crianças e adolescentes com idade entre 7 e 18 anos incompletos;
  • Benefício Variável Familiar Nutriz (BVN): Suplemento de R$ 50 para cada membro da família com até sete meses incompletos (nutriz).

Até maio de 2025 o governo também paga o Benefício Extraordinário de Transição, para que nenhum beneficiário receba menos do que recebia no programa anterior (Auxílio Brasil).

O que pode reduzir o valor do benefício

  • Empréstimo consignado: quem contratou o consignado do Auxílio Brasil em 24 parcelas tem desconto de R$ 160 na conta;
  • Regra de proteção: quando a família eleva seu limite de renda chegando a meio salário mínimo por pessoa passa a ter direito de receber 50% do valor do benefício original, e continua no programa por até dois anos.

Como consultar o valor do Bolsa Família em 2024?

É muito importante manter os dados do Cadastro Único sempre atualizados, será assim que o governo vai conseguir reconhecer a composição da família e quais bônus têm direito. Para consultar o valor do Bolsa Família a partir de janeiro do ano que vem, basta usar os seguintes canais:

  • App do Bolsa Família;
  • App do Caixa Tem – disponibiliza o saldo cerca de uma semana antes de dar início aos pagamentos;
  • Ligando para a Caixa – número 111;
  • Ligando para o MDS – número 121.

Calendário de pagamentos do Bolsa Família em janeiro

Oficialmente o calendário de pagamentos do Bolsa Família para 2024 ainda não saiu. O Ministério do Desenvolvimento Social deve fazer a publicação até a primeira semana de janeiro, mas usando a mesma lógica do que a desse ano. Os depósitos são feitos sempre nas duas últimas semanas do mês.

Considerando essa regra e o final do NIS (Número de Identificação Social) do titular do programa, os pagamentos devem ocorrer em:

  • NIS final 1: 18 de janeiro;
  • NIS final 2: 19 de janeiro;
  • NIS final 3: 22 de janeiro;
  • NIS final 4: 23 de janeiro;
  • NIS final 5: 24 de janeiro;
  • NIS final 6: 25 de janeiro;
  • NIS final 7: 26 de janeiro;
  • NIS final 8: 29 de janeiro;
  • NIS final 9: 30 de janeiro;
  • NIS final 0: 31 de janeiro.

Lila Cunha
Autora é jornalista e atua na profissão desde 2013. Apaixonada pela área de comunicação e do universo audiovisual. Suas redes sociais são: @liilacunhaa, e-mail: [email protected]