Valores a receber ainda podem ser retirados nos bancos; consulte seu saldo

O Banco Central tem mais de R$ 7 bilhões em valores a receber que ainda não foram resgatados. O montante está esquecido em bancos, instituições financeiras e cooperativas. Dinheiro pode ser retirado pela própria pessoa ou por um dependente, em caso de falecimento do beneficiário. Veja como consultar o seu saldo.

Valores a receber ainda podem ser retirados nos bancos; consulte seu saldo
Valores a receber ainda podem ser retirados nos bancos; consulte seu saldo (Imagem FDR)

Certa de R$ 7,4 bilhões ainda estão disponíveis no sistema Valores a receber, do Banco Central. Brasileiros podem fazer a consulta do saldo sem precisar sair de casa. O resgate, na maioria dos casos, também é bem simples e pode ser solicitado pela internet.

Os valores estão “esquecidos” em De acordo com o BC, 38.097.190 pessoas possuem saldo em contas de bancos, instituições financeiras e cooperativas.

Consultar os valores a receber no Banco Central

A consulta pode ser feita pela internet seguindo os passos abaixo:

  • Acesse o site do Banco Central;
  • Insira o seu CPF e sua data de nascimento ou o CNPJ e a data de abertura da empresa, caso a consulta seja sobre os valores a serem recebidos por ela;
  • Também é possível fazer a consulta dos valores de uma pessoa falecida, para saber mais, clique aqui;
  • Clique em consultar.

Caso tenha algum valor a ser retirado, basta clicar em Resgatar Valores e ficar atento a alguns pontos:

  • Para acessar seus valores de pessoa física ou de pessoas falecidas, sua Conta gov.br, nesse caso, é necessário ter nível prata ou ouro.
  • Para acessar valores de pessoa jurídica, o acesso é também através da conta gov.br, mas, é necessário ter o CNPJ vinculado a ela

O resgate pode ser feito através de um PIX, nesse caso o pagamento é feito em até 12 dias úteis.

Outra opção é entrar em contato diretamente com a instituição bancária responsável pelo pagamento e solicitar o depósito.

Jamille Novaes
Baiana, formada em Letras Vernáculas pela UESB, pós-graduada em Gestão da Educação pela Uninassau. Apaixonada por produção textual, já trabalhou como corretora de redação, professora de língua portuguesa e literatura. Atualmente se dedica ao FDR e a sua segunda graduação.