Possível esquema de RACHADINHA tem mais de R$ 226 milhões sacados em dinheiro no RJ

De acordo com uma investigação realizada pelo Ministério Público do Rio de Janeiro, funcionários contratados da Fundação Ceperj sacaram R$ 226,4 milhões. Os saques aconteceram nos sete primeiros meses deste ano no Banco Bradesco. Isso gerou a desconfiança de um possível esquema de rachadinha.

publicidade
Possível esquema de RACHADINHA tem mais de R$ 226 milhões sacados em dinheiro no RJ
Possível esquema de RACHADINHA tem mais de R$ 226 milhões sacados em dinheiro no RJ (Imagem: Montagem/FDR)

Os criminosos foram contratados para cargos secretos no Centro Estadual de Estatísticas, Pesquisas e Formação de Servidores Públicos do Rio de Janeiro. Os saques em espécie constam em uma ação sobre o esquema de rachadinha em tramitação na 15ª Vara de Fazenda Pública do Rio.

O valor sacado pelos funcionários corresponde a 91% de todos os pagamentos destinados a eles em 2022, sendo no total R$ 248,9 milhões. Esse levantamento foi obtido por meio de uma planilha disponibilizada pelo banco. 

publicidade

Nessa constam 27.665 pessoas que receberam os pagamentos da Ceperj durante este ano. Diante disso, os promotores pedem a suspensão de novas contratações pelo órgão. A Justiça ainda irá analisar a limitar.

A mesma também deve impedir novos pagamentos “na boca do caixa”. O governo estadual ainda não foi notificado da ação. As investigações iniciaram após o UOL divulgar reportagens sobre um possível esquema de rachadinha. 

Após isso, o órgão anunciou que agora os funcionários teriam que abrir uma conta corrente para poder receber os pagamentos. Anteriormente, bastava apresentar um documento para sacar o salário no Bradesco.

Além disso, a fundação suspendeu o projeto Casa do Trabalhador por um mês. Nesse, há 9.000 cargos secretos que passarão por auditoria. Só neste ano, o projeto recebeu R$ 80 milhões de verbas públicas.

Saque de R$ 500 mil levou à investigação de rachadinha

Durante as investigações, saques em espécie de grande volume chamaram a atenção dos promotores. Os saques ocorreram em uma agência na cidade de Campos dos Goytacazes. Foram oito datas, entre janeiro e junho, com saques de, no mínimo, R$ 300 mil.

O maior saque foi realizado no dia 14 de junho, de R$ 536 mil. “A realização de saques de dinheiro em grande volume constitui nítida afronta às normas de prevenção à lavagem de dinheiro”, afirmam os promotores.

Clique aqui e aperte o botão "Seguir" para você ser o primeiro a receber as últimas informações sobre este assunto no seu celular!

publicidade

Além disso, há indícios que parte desses valores estão sendo repassados para terceiros, em um esquema de rachadinha. Outra constatação foi a presença de funcionários públicos entre os cargos secretos recebendo dois salários.

MAIS LIDAS

×

Deixe as notícias mais recentes encontrarem você

Você pode ficar a par das melhores notícias financeiras e atualizado dos seus direitos com apenas uma coisa: o seu email!

Glaucia Alves
Gláucia Alves é formada em Letras-Inglês pela Universidade Federal Rural de Pernambuco (UFRPE). Atuou na área acadêmica durante 8 anos. Em 2020 começou a trabalhar como corretora de redação. Atualmente, trabalha na equipe do portal FDR, produzindo conteúdo sobre economia e direitos da população brasileira, onde já acumula anos de pesquisa e experiência. Além de realizar consultoria de redação on-line.