BRASIL deve estourar a INFLAÇÃO pelo 3º ano; entenda os impactos no seu bolso

Ao que tudo indica, o Brasil deve estourar a meta da inflação pelo 3º ano seguido. Estima-se que esse cenário prevaleça até 2023, segundo especialistas ouvidos pelo UOL Notícias

publicidade
BRASIL deve estourar a INFLAÇÃO pelo 3º ano; entenda os impactos no seu bolso
BRASIL deve estourar a INFLAÇÃO pelo 3º ano; entenda os impactos no seu bolso. (Imagem: Montagem/FDR)

Economistas acreditam que o Banco Central não tenha capacidade para cumprir o principal objetivo da instituição, manter a inflação equilibrada e, sobretudo, dentro da meta estabelecida para cada ano. 

De acordo com o relatório feito pela Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), considerando as maiores economias do mundo, o Brasil está na quarta posição no que compete à maior inflação. O país fica atrás apenas da Turquia, Argentina e Rússia

publicidade

Na análise dos países do G20, a média observada foi de 8,8% em maio. No Brasil, os índices ficaram em 11,7%, apontando uma desaceleração da tendência de alta, embora o percentual continue elevado. 

O índice sofre influência do desabastecimento da indústria provocado pela guerra na Ucrânia e as incertezas que prevalecem em relação à pandemia. De toda forma, existem alguns fatores internos que colocam o Brasil acima da média, que são: a desvalorização do real, cenário político conturbado e a desconfiança dos investidores

Impactos da inflação no bolso do consumidor

Antes de mais nada, é importante explicar que, caso ocorra um novo estouro da inflação em 2022, o Brasil terá novamente o pior desempenho em 20 anos. A última vez em que a meta também não foi alcançada pelo período de três anos foi entre 2001 e 2003

O cenário piorou drasticamente em 2021 com a disparada dos preços das commodities por todo o mundo. Foi quando o Brasil registrou a inflação de 10,06%. O percentual superou a meta imposta pelo BC de 3,75%, com margem de 1,5% para mais ou para menos. 

Na prática, a inflação deveria variar entre 2,25% e 5,25% para se manter na meta. A situação só piora, pois as projeções do mercado financeiro e do Banco Central indicam que a meta será descumprida em 2022. Para este ano a meta da instituição é de 8,8%, e a do mercado é 7,96%.

Mas afinal, como o consumidor é afetado na prática? No dia-a-dia, a inflação em alta significa que a pobreza também aumenta enquanto o poder de compra é reduzido. Em tese, paga-se mais caro por uma série de produtos básicos e essenciais, como alimentos e combustíveis.

Clique aqui e aperte o botão "Seguir" para você ser o primeiro a receber as últimas informações sobre este assunto no seu celular!

publicidade

O problema é que o salário mínimo não acompanha essa nova realidade, e o consumidor terá que abrir mão de certos consumos para manter a subsistência.

MAIS LIDAS

×

Deixe as notícias mais recentes encontrarem você

Você pode ficar a par das melhores notícias financeiras e atualizado dos seus direitos com apenas uma coisa: o seu email!

Laura Alvarenga
Laura Alvarenga é graduada em Jornalismo pelo Centro Universitário do Triângulo em Uberlândia - MG. Iniciou a carreira na área de assessoria de comunicação, passou alguns anos trabalhando em pequenos jornais impressos locais e agora se empenha na carreira do jornalismo online através do portal FDR, onde pesquisa e produz conteúdo sobre economia, direitos sociais e finanças.