Urgente! Governo gasta R$ 111 bilhões em estratégia eleitoral para garantir permanência de Bolsonaro

Neste ano de 2022 já foi contabilizado pela equipe econômica do governo, R$ 65 bilhões gastos em renúncias fiscais. Este é justamente o ano em que os brasileiros vão escolher o presidente da República. E Jair Bolsonaro (PL) busca a reeleição para permanecer ocupando a cadeira de maior poder do Brasil.

Urgente! Governo gasta R$ 111 bilhões em estratégia eleitoral para garantir permanência de Bolsonaro
Urgente! Governo gasta R$ 111 bilhões em estratégia eleitoral para garantir permanência de Bolsonaro (Imagem: Montagem/FDR)

As expectativas são de que as bondades fiscais do governo cheguem a afetar R$ 111,4 bilhões dos cofres públicos. De que forma? Por meio de uma nova estratégia que diminuí principalmente os tributos federais, e automaticamente, faz cair o recolhimento da União.

Para chegar ao número de R$ 65 bilhões foram consideradas as renúncias já anunciadas, como:

  • redução das alíquotas de IPI em 35% (R$ 23,4 bilhões);
  • queda das alíquotas de PIS/Cofins para o diesel e para o GLP (R$ 14,9 bilhões);
  • prorrogação da desoneração da folha de pagamentos (R$ 9,2 bilhões);
  • reduções das alíquotas do Imposto de Importação (R$ 9,7 bilhões).

Ao considerar o projeto sobre o valor dos combustíveis proposto pelo presidente Jair Bolsonaro, o número chega a R$ 111 bilhões. Isso porque, ao zerar os tributos fiscais sobre os combustíveis a redução no rendimento do governo será de R$ 46,4 bilhões.

Neste projeto, o governo federal promete zerar os tributos federais sobre a gasolina e diesel. Desde que os estados assumam o compromisso de fixar, até o fim deste ano de 2022, a cobrança do ICMS em 17% para combustíveis, energia elétrica e serviços de telecomunicações e de transporte público.

No entanto, prevendo as perdas que os estados terão, o governo prometeu o abatimento das dívidas com a União quando perceber que a perda de arrecadação ficou maior que 5%.

Para compensar os estados, o senador Fernando Bezerra (MDB-PE) que é o relator do projeto, acredita que o governo terá que arcar com um custo de R$ 29,6 bilhões. 

Da sua própria receita, o governo deve abrir mão de R$ 16,8 bilhões ao zerar os tributos federais.

No dia 13 de junho, o projeto já foi aprovado pelo Senado Federal. Agora, a Câmara dos Deputados deve analisar o texto antes de ser sancionado pelo presidente.

Redução de impostos e a reeleição de Bolsonaro

Parlamentares e apoiadores do presidente Bolsonaro, associam a alta no valor dos combustíveis a desaprovação do atual governo. Por isso, têm pressionado o ministro da Economia, Paulo Guedes, a encontrar soluções.

Guedes, no entanto, freia as ideias do presidente devido aos gastos. E gostaria que fosse oferecido apenas a compensação pela redução nos impostos sobre o diesel. O que traria um impacto de R$ 22 bilhões aos cofres públicos.

O presidente investe na sua relação com os mais vulneráveis. Por exemplo, aumentou o valor do Auxílio Brasil para no mínimo R$ 400, autorizou a criação do vale gás de R$ 53 e chegou a cogitar incluir no país o Bolsa Caminhoneiro, para ajudar no valor que estes profissionais gastam com o diesel.

MAIS LIDAS

×

Deixe as notícias mais recentes encontrarem você

Você pode ficar a par das melhores notícias financeiras e atualizado dos seus direitos com apenas uma coisa: o seu email!

Lila Cunha
Lila Cunha é formada em jornalismo pela Universidade de Mogi das Cruzes (UMC). Atua como repórter especial para o portal FDR. É responsável por selecionar as informações abordadas e garantir o padrão de qualidade das notícias veiculadas. Além disso, trabalha com apuração de hard news desde 2019, cobrindo o universo econômico em escala nacional.