Está com o nome sujo? Siga essas dicas para zerar os débitos

Pontos-chave
  • Nome sujo resulta na restrição do CPF;
  • Cidadão endividado tem CPF cadastrado em bancos de inadimplentes;
  • Negociações podem ser feitas diretamente pelos bancos de inadimplência para sanar a dívida.

Ficar com o nome sujo na “praça” não é uma situação agradável para os consumidores. As dívidas nem sempre são sinônimo de irresponsabilidade. Algumas vezes é reflexo da crítica situação financeira combinada à realidade do mercado brasileiro que fica cada vez mais caro. 

A alta da inflação impacta diretamente nos reajustes de preços cobrados por produtos e serviços dos mais variados setores. O problema é que, enquanto o encarecimento é contínuo, o trabalhador segue sem poder de compra recebendo um salário mínimo de R$ 1.212 que mal dá para custear as despesas básicas de moradia, alimentação, transporte e saúde.

Outro ponto é que, devido à rotina agitada e, provavelmente, o descontrole financeiro, muitos consumidores podem desconfiar, mas não têm certeza se está ou não com o nome sujo. Atualmente, o Brasil já soma mais de R$ 250 bilhões em dívidas. 

É importante explicar que, quando um cidadão está com o nome sujo, o Cadastro de Pessoa Física (CPF) fica com restrições após ser inscrito em bases de cadastros de inadimplentes. Alguns exemplos famosos são o SPC, Serasa e Boa Vista. Este é um procedimento padrão ao qual todo cidadão endividado é submetido. 

Consequência de ter o nome sujo 

Na prática, quando a pessoa fica com o nome sujo, ele enfrenta mais dificuldades de adquirir qualquer crédito. Assim, o cidadão fica impedido de realizar compras a prazo, além de não poder financiar um imóvel ou obter um cartão de crédito. 

Como a restrição do nome funciona?

Quando uma pessoa já reúne dívidas a um tempo considerável, o consumidor deve receber um comunicado da empresa lembrando sobre a dívida e oferecendo condições especiais de pagamento. Normalmente, este comunicado é feito quando o cidadão não paga a dívida até a data de vencimento. 

Posteriormente, a empresa também envia notificações a respeito da dívida para as entidades de proteção de crédito, como o SPC, Serasa e Boa Vista. Essas entidades também tomam a iniciativa de notificar o consumidor alertando sobre a inscrição do nome no cadastro de inadimplentes se não quitar o débito dentro do prazo padrão de 10 dias. 

Alguns cidadãos negativados possuem dúvidas sobre estarem ou não com o nome sujo e inscritos nos cadastros de inadimplentes. Para esclarecer essa dúvida, é possível acessar as plataformas remotas das entidades mencionadas para obter as informações necessárias. 

Contudo, é importante entender que cada um dos órgãos (Serasa, SPC e Boa Vista), possui vínculos com empresas específicas. Assim, pode ser que o nome sujo esteja sujo em uma empresa e regular no outro. Esta é a importância e necessidade de fazer a consulta em todos eles. 

Veja a seguir, algumas dicas para verificar se o seu nome está sujo sem precisar pagar por nenhum serviço. Destacando que este procedimento deve ser feito por sites ou aplicativos e requer um cadastro prévio.

Serasa

A consulta para saber se o nome está sujo no Serasa, pode ser feita pelos seguintes canais:

  • Site do Serasa;
  • Aplicativo do Serasa para celular disponível na Play Store e App Store;
  • Por telefone através do número: 0800 591 1222.

SPC

A verificação de nome negativado no SPC não é muito diferente:

  • Site do SPC;
  • Aplicativo do SPC para celular disponível na Play Store e App Store.

Boa Vista

O mesmo procedimento deve ser realizado pelo Boa Vista. Observe:

  • Site do Boa Vista;
  • Aplicativo do Boa Vista para celular disponível na Play Store e App Store. 

Como limpar o nome sujo?

Após ter o nome sujo inscrito em qualquer cadastro de proteção ao crédito, depois disso, dificilmente o consumidor terá acesso ao crédito com facilidade no mercado novamente. Pelo menos, não até conseguir quitar a dívida e regularizar a situação. 

O primeiro passo é verificar a situação da dívida, por exemplo, se em determinado momento houve qualquer negociação junto à empresa que negativou o nome do consumidor, ou se, de fato, o pagamento não foi efetuado. Na hipótese de nenhum acordo ter sido firmado junto à empresa que inscreveu o CPF do devedor no cadastro de restrição ao crédito, as chances de fraude são altas.

Isso porque, existe a chance de terceiros terem utilizado os dados de uma vítima para ter acesso ao crédito dela no mercado. Neste caso, ao tomar conhecimento sobre a restrição, é necessário entrar em contato com a empresa para esclarecer o ocorrido e pedir a exclusão do nome do cadastro. 

Em casos extremos existe a possibilidade de acionar os órgãos de defesa ao consumidor, além de entrar em contato com a gestora do banco de dados. Essa gestão também pode dar entrada em uma ação judicial requerendo a regularização do cadastro e, até mesmo, cobrar uma indenização por dano moral. 

Mas se um acordo realmente foi firmado junto à empresa responsável pela negativação do nome e, ainda assim, não reconhece a dívida que já foi paga, será preciso fazer a comprovação do pagamento.

Quando a dívida é reconhecida pelo consumidor que está com o nome sujo, é necessário negociar condições de pagamento. Neste caso, a restrição no CPF será retirada assim que a primeira parcela for paga.

MAIS LIDAS

×

Deixe as notícias mais recentes encontrarem você

Você pode ficar a par das melhores notícias financeiras e atualizado dos seus direitos com apenas uma coisa: o seu email!

Laura Alvarenga
Laura Alvarenga é graduada em Jornalismo pelo Centro Universitário do Triângulo em Uberlândia - MG. Iniciou a carreira na área de assessoria de comunicação, passou alguns anos trabalhando em pequenos jornais impressos locais e agora se empenha na carreira do jornalismo online através do portal FDR, onde pesquisa e produz conteúdo sobre economia, direitos sociais e finanças.