Bolsonaro afirma que está suspenso o reajuste salarial dos servidores federais

Após anunciar um bloqueio de R$ 6,965 bilhões em recursos dos ministérios, o governo federal incluiu o R$ 1,737 bilhão que estavam reservados para reajuste salarial dos servidores federais. Nesta terça-feira (7), o presidente Jair Bolsonaro (PL) disse que “pelo o que tudo indica” o acréscimo não acontece neste ano. 

O bloqueio foi anunciado pelo Ministério da Economia na segunda-feira, 6. E saiu principalmente do orçamento de pastas como Ciência e Tecnologia, Educação e Saúde.

No entanto, embora a quantia de R$ 1,737 bilhão que havia sido prometido para reajuste salarial dos servidores públicos também tenha sido comprometida, ainda haviam esperanças.

Mas nesta terça,7, ao conceder entrevista para o SBT News, Bolsonaro recuou da decisão.

“Lamento, pelo que tudo indica, não será possível dar nenhum reajuste para o servidor no corrente ano. Mas já está na legislação nossa, mandado para Parlamento, LOA etc, que para ano que vem teremos reajustes e reestruturações“, afirmou o presidente.

Como justificativa, o presidente disse que não há espaço no Orçamento. E que o reajuste somente seria possível caso apontassem alguma sobra de dinheiro público.

A promessa de reajuste começou ainda em 2021, quando o presidente prometeu aumentar o salário de policiais o que gerou revolta das demais categorias.

Inclusive, já havia sido reservado no Orçamento de 2022 R$ 1,7 bilhões para pagar esses funcionários. Mais tarde, devido aos protestos, foi prometido o aumento para todas as classes de servidores federias.

Claro que quanto mais pessoas recebendo o aumento, maior seria a despesa, por isso o orçamento se tornou um grande empecilho na decisão.

Para buscar meios que pudessem agradar a todos, os técnicos do governo anunciaram algumas sugestões. Por exemplo, o acréscimo de 5% nos salários e o aumento do vale alimentação para R$ 600. 

As promessas ainda geraram protestos, já que muitos servidores não concordaram com a decisão e reivindicaram quantias maiores.

O que deveria ser um grande feito de Bolsonaro em ano eleitoral, se tornou uma preocupação para o Ministério da Economia e responsáveis pelo dinheiro público.

Por isso, quem ainda acreditava em um possível reajuste salarial para 2022 não deve se animar. A promessa do presidente, como foi dito em entrevista ao SBT News, é a criação de um projeto que inclua esse reajuste a partir de 2023.

MAIS LIDAS

×

Deixe as notícias mais recentes encontrarem você

Você pode ficar a par das melhores notícias financeiras e atualizado dos seus direitos com apenas uma coisa: o seu email!

Lila Cunha
Lila Cunha é formada em jornalismo pela Universidade de Mogi das Cruzes (UMC). Atua como repórter especial para o portal FDR. É responsável por selecionar as informações abordadas e garantir o padrão de qualidade das notícias veiculadas. Além disso, trabalha com apuração de hard news desde 2019, cobrindo o universo econômico em escala nacional.