INSS autoriza adicional de 25% em seus salários; veja quem pode receber

Previdência social passa a pagar adicional de 25% para os seus beneficiários. Os cidadãos que recebem o abono por incapacidade permanente podem aumentar o valor de seus salários. A solicitação deve ser feita através do Meu INSS sendo necessário cumprir alguns requisitos. Acompanhe.

INSS autoriza adicional de 25% em seus salários; veja quem pode receber (Imagem: FDR)
INSS autoriza adicional de 25% em seus salários; veja quem pode receber (Imagem: FDR)

O INSS anunciou que está liberando um adicional de até 25% para os segurados do benefício por incapacidade permanente. O valor já pode ser solicitado, mas é preciso comprovar que não pode exercer nenhum tipo de atividade trabalhista.

De modo geral, para ter acesso ao reajuste o aposentado por invalidez permanente precisa ter alguma das seguintes doenças:

  • Cegueira total;
  • Perda de, no mínimo, nove dedos das mãos;
  • Paralisia dos dois membros superiores ou inferiores;
  • Perda dos membros inferiores, acima dos pés, quando a prótese for impossível;
  • Perda de uma das mãos e de dois pés, ainda que a prótese seja possível;
  • Perda de um membro superior e outro inferior, quando a prótese for impossível;
  • Alteração das faculdades mentais com grave perturbação da vida orgânica e social;
  • Doença que exija permanência contínua no leito;
  • Incapacidade permanente para as atividades da vida diária.

Como solicitar o adicional?

  • Acesse o Meu INSS
  • Faça login no sistema, escolha a opção “Agendamentos/Requerimentos”
  • Em seguida clique em “novo requerimento” e clique em “avançar”.
  • Digite no campo “pesquisar” a palavra “acréscimo” e selecione o serviço desejado. Acompanhe o andamento pelo Meu INSS, na opção Agendamentos/Requerimentos.

Perícia médica é obrigatória

O cidadão deve ficar atento ainda ao laudo que será concedido pelo INSS. No ato da perícia será preciso apresentar os documentos de identificação pessoal e também histórico de saúde que pode ser assinado por profissionais de fora do INSS.

Obrigatoriamente será necessário comprovar a incapacidade total. Além disso, ele deve ter a qualidade de segurado (ou seja, esteja contribuindo junto ao INSS). Cumprir uma carência de 12 meses (antes do início da incapacidade permanente).

Regras da aposentadoria por incapacidade

  • ter a incapacidade total e permanente devidamente comprovada através de uma perícia médica feita no INSS ou no órgão público que você trabalha, inclusive tendo que constar a informação que é impossível a reabilitação em outro cargo ou trabalho;
  • cumprir uma carência mínima de 12 meses (para os trabalhadores do INSS);
  • Estar trabalhando no serviço público ou contribuindo para a Previdência Social no momento em que ocorreu a incapacidade ou estar no período de qualidade de segurado, no caso dos segurados do INSS.

MAIS LIDAS

×

Deixe as notícias mais recentes encontrarem você

Você pode ficar a par das melhores notícias financeiras e atualizado dos seus direitos com apenas uma coisa: o seu email!

Eduarda Andrade
Maria Eduarda Andrade é mestra em ciências da linguagem pela Universidade Católica de Pernambuco, formada em Jornalismo na mesma instituição. Enquanto pesquisadora, atua na área de políticas públicas, economia criativa e linguística, com foco na Análise Crítica do Discurso. No mercado de trabalho, passou por veículo impresso, sendo repórter do Diario de Pernambuco, além de assessorar marcas nacionais como Devassa, Heineken, Algar Telecom e o Grupo Pão de Açúcar. Atualmente, dedica-se à redação do portal FDR, onde já acumula anos de experiência e pesquisas sobre economia popular e direitos sociais.