Urgente! Governo anuncia cortes nos impostos dos alimentos; veja o que muda

Os alimentos básicos na mesa do consumidor brasileiro poderão ter um leve barateamento nos preços em breve. Na última segunda-feira, 23, o Ministério da Economia determinou um novo corte nos impostos dos alimentos, desta vez, em 10%. 

Urgente! Governo anuncia cortes nos impostos dos alimentos; veja o que muda
Urgente! Governo anuncia cortes nos impostos dos alimentos; veja o que muda. (Imagem: Montagem/FDR)

Os principais itens afetados são o arroz, feijão, carnes, massas, biscoitos e até mesmo materiais de construção. A mesma redução nos impostos dos alimentos foi realizada em novembro de 2021. O resultado de ambos os cortes já somam mais de 87% dos produtos sujeitos a essa tributação segundo a pasta. 

Na ocasião, as alíquotas foram reduzidas a zero ou passaram por um corte integral de 20%. Destacando que a medida se limita à redução nos impostos dos alimentos, logo, os setores de calçados, brinquedos, têxteis, laticínios e automotivo ficam de fora desta iniciativa. Estes já apresentavam uma tarifa superior a 14%. 

Vale lembrar que há algum tempo o ministro da Economia, Paulo Guedes, tem se empenhado na defesa de reduções das tarifas, em especial aquelas cobradas no comércio exterior de modo a combater a escalada de preços na economia.

Portanto, o corte de tributos é uma estratégia para baratear a compra de produtos importados que, por consequência, poderão impactar nos preços da produção interna. 

De acordo com a pasta competente, a nova redução nos impostos dos alimentos foi devidamente aprovada pelo Comitê-Executivo de Gestão (Gecex) da Câmara de Comércio Exterior (Camex). Ficou estabelecido que os novos percentuais reduzidos deverão prevalecer até 31 de dezembro de 2023. Estima-se que esta medida tenha um custo médio de R$ 3,7 bilhões aos cofres públicos. 

De acordo com o índice da Organização das Nações Unidas (ONU), o atual preço dos alimentos é o mais alto das últimas seis décadas. Porém, a gravidade não é exclusiva no Brasil, mas sim em todo o mundo. Alguns fatores como a pandemia e a guerra na Ucrânia têm grande influência na alta da inflação dos alimentos. 

No Brasil, este cenário acontece simultaneamente ao acumulado da inflação de 12,13% em 12 meses. Veja o exemplo da cenoura, cujo preço aumentou em 55,14% de fevereiro de 2021 até o mesmo mês neste ano.

A princípio, o presidente da República, Jair Bolsonaro, a inflação dos alimentos é superior a outros países e que no Brasil a situação aparenta estar estável caso uma comparação seja feita. Ele acredita que não existe uma solução instantânea para baratear os alimentos, e que o atual cenário ainda será vivido por um tempo maior.

MAIS LIDAS

×

Deixe as notícias mais recentes encontrarem você

Você pode ficar a par das melhores notícias financeiras e atualizado dos seus direitos com apenas uma coisa: o seu email!

Laura Alvarenga
Laura Alvarenga é graduada em Jornalismo pelo Centro Universitário do Triângulo em Uberlândia - MG. Iniciou a carreira na área de assessoria de comunicação, passou alguns anos trabalhando em pequenos jornais impressos locais e agora se empenha na carreira do jornalismo online através do portal FDR, onde pesquisa e produz conteúdo sobre economia, direitos sociais e finanças.