Em tensão com a Petrobras, Bolsonaro justifica o encarecimento dos combustíveis

Durante participação em evento da Associação Paulista de Supermercados, o presidente Jair Bolsonaro voltou a culpar a Petrobras pelo alto preço dos combustíveis. Para ele, a estatal quer ser “campeã do mundo” e não faz a parte dela para “salvar o Brasil”.

“Todos têm que ter consciência, apertar o cinto, salvar o Brasil, como fizeram todas as petrolíferas do mundo. Diminuíram seu lucro. Exceto a Petrobras Futebol Clube. Essa está preocupada em ser a campeã do mundo”, disse o presidente.

“Enquanto nós pensamos em ser campeão brasileiro, a Petrobras quer ser campeã do mundo. Nada contra a empresa ter lucro. Tem que ter lucro, senão não existe mercado livre, não existe democracia. Ser contra o capitalismo, a gente sabe que isso não dá certo”, completou.

De janeiro a março de 2022, a petroleira obteve lucro de R$ 44,5 bilhões, 41,4% a mais que o resultado do último trimestre de 2021 e 3.718% a mais que no mesmo período do ano passado.

Quando a Petrobras divulgou o resultado do primeiro trimestre, Bolsonaro chamou o lucro da estatal de “absurdo” e “estupro” e clamou para que não fossem anunciados novos reajustes no preço dos combustíveis.

Após o reajuste do diesel implementado em 10 de maio, o presidente da República retirou Bento Albuquerque do cargo de ministro de Minas e Energia e colocou Adolfo Sachsida em seu lugar. O novo ministro, próximo a Bolsonaro e alinhado a Paulo Guedes, já demonstrou a intenção de privatizar a Petrobras.

Bolsonaro tem poder sobre a Petrobras?

A Petrobras é (ao menos oficialmente) uma empresa pública e seu acionista majoritário e controlador é o governo federal. O presidente da República, como chefe do governo, tem o poder de escolher os integrantes do conselho administrativo da estatal e, assim, influenciar nas suas estratégias e decisões internas.

O atual modelo de gestão da Petrobras, implantado a partir de 2016, é criticado por amplos setores da sociedade, incluindo governadores, funcionários e políticos da oposição.

Entre as decisões da estatal que são criticadas, está o Preço de Paridade de Importação (PPI), segundo o qual os preços dos combustíveis, como gasolina, diesel e etanol, além dos preços do gás de cozinha e do gás natural, são reajustados periodicamente, para manter a paridade com os preços internacionais e estimular a concorrência com empresas privadas.

MAIS LIDAS

×

Deixe as notícias mais recentes encontrarem você

Você pode ficar a par das melhores notícias financeiras e atualizado dos seus direitos com apenas uma coisa: o seu email!

Amaury Nogueira
Amaury da Silva Nogueira é bacharelando em Letras/Edição pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG). Apaixonado pelo universo da escrita, atua há dois anos como redator e realiza pesquisas sobre história da edição no Brasil. Além disso, atualmente pesquisa também sobre direitos e benefícios sociais para agregar conhecimento na redação do portal de notícias FDR.