Empréstimo consignado do Auxílio Brasil já foi liberado? Como funciona?

Segurados do Auxílio Brasil ganham novo serviço bancário. Recentemente, o Governo Federal aprovou a concessão de um empréstimo consignado dentro do projeto social. Cada cidadão terá direito há um crédito de até 40% equivalente ao valor da sua mensalidade. Acompanhe os detalhes, abaixo.

Empréstimo consignado do Auxílio Brasil já foi liberado? Como funciona? (Imagem: FDR)
Empréstimo consignado do Auxílio Brasil já foi liberado? Como funciona? (Imagem: FDR)

Buscando movimentar a economia nacional, o governo federal aprova mais uma linha de crédito. Dessa vez, os contemplados são os segurados do Auxílio Brasil que poderão comprometer até 40% de suas mensalidades. Atualmente o programa contempla cerca de 18 milhões de pessoas que podem recorrer ao empréstimo.

Quando e como solicitar empréstimo pelo Auxílio Brasil?

Apesar da medida ser aprovada pelo Governo Federal, ela ainda não está em funcionamento. Isso porque, o Ministério da Cidadania precisa ainda determinar, em parceria com a Caixa Econômica, quais serão as taxas de juros do serviço.

A previsão é de que sejam concedidos R$ 77 bilhões em empréstimos. Além dos segurados do projeto social, a população vinculada ao BPC e também os pequenos empreendedores terão direito a novas linhas de crédito.

Espera-se que a solicitação seja realizada diretamente pelo Caixa Tem. O cidadão deve se conectar ao aplicativo e na função de empréstimos formalizar o pedido do valor desejado que será posteriormente depositado em sua conta digital.

Passo a passo para se registrar no Caixa Tem

  • Instale o aplicativo em seu celular. Ele está disponível, de maneira totalmente gratuita, para dispositivos móveis com sistemas Androide iOS;
  • Abra o Caixa Tem e clique em entrar;
  • Em seguida, toque em “cadastre-se”;
  • Informe os seus dados pessoais, como dígitos do CPF, nome completo, número do telefone celular, data de nascimento, CEP e endereço de e-mail;
  • Feito isso, será necessário criar uma senha numérica de, no mínimo, seis dígitos. Não pode ser igual ao seu CPF e nem ter repetições em sequência, como “123456”. O sistema também não permite que você use a sua data de nascimento como senha;
  • Depois de escolher sua senha e informá-la nos campos dispostos no app, toque em “não sou um robô”;
  • Em seguida, vá até a sua caixa de e-mail e procure por uma mensagem com o título “Login Caixa” e, após encontrá-la, clique no link para validar seu cadastro. Não encontrou o e-mail? Não se esqueça de conferir a sua caixa de “spam”;
  • Ao clicar no link do e-mail para validar seu cadastro, você terá acesso à tela de menu do Caixa Tem;
  • Para usar os recursos, volte ao aplicativo e toque na opção “liberar acesso”;
  • Quando um chat automático aparecer na tela de seu celular, vá na opção “toque aqui para realizar seu primeiro acesso”;
  • Feito isso, o próximo passo será o de validar o seu celular. A Caixa pede que o usuário faça isso para evitar fraudes nos cadastros, possibilitando o acesso apenas para você e mais ninguém;
  • Na próxima tela que aparecer, toque em “continuar”;
  • Em seguida, toque em “receber código”;
  • Um código será encaminhado por SMS. Informe-o no campo solicitado do app;
  • Depois disso, você vai dar um nome para o seu celular. Pode ser qualquer um;
  • Escolheu o nome? Pronto! Seu celular está devidamente validado e você já poderá acessar todas as funcionalidades do Caixa Tem.

MAIS LIDAS

×

Deixe as notícias mais recentes encontrarem você

Você pode ficar a par das melhores notícias financeiras e atualizado dos seus direitos com apenas uma coisa: o seu email!

Eduarda Andrade
Maria Eduarda Andrade é mestra em ciências da linguagem pela Universidade Católica de Pernambuco, formada em Jornalismo na mesma instituição. Enquanto pesquisadora, atua na área de políticas públicas, economia criativa e linguística, com foco na Análise Crítica do Discurso. No mercado de trabalho, passou por veículo impresso, sendo repórter do Diario de Pernambuco, além de assessorar marcas nacionais como Devassa, Heineken, Algar Telecom e o Grupo Pão de Açúcar. Atualmente, dedica-se à redação do portal FDR, onde já acumula anos de experiência e pesquisas sobre economia popular e direitos sociais.