Para Guedes, conceder reajuste a servidores pode comprometer próximo governo; saiba como

O ministro da Economia Paulo Guedes tem se mostrado contrário ao reajuste salarial prometido pelo presidente Bolsonaro para os servidores. O Orçamento de 2022 foi aprovado no mês passado com R$ 1,7 bilhão reservados para esse fim, embora sem especificar que categorias seriam beneficiadas.

Ao que tudo indica, apenas policiais federais, policiais rodoviários federais e agentes penitenciários, setores mais ligados a Bolsonaro, teriam reajuste. Mas nem mesmo para eles a verba de R$ 1,7 bilhão seria suficiente.

Os demais servidores se revoltaram contra esse aumento seletivo e cobram, através de protestos, paralisações e ameaça de greve, que eles também sejam contemplados. Numa tentativa de acalmar os ânimos, Bolsonaro promete agora estender o reajuste para todas as categorias, mas jogando a responsabilidade para o próximo governo.

“Não tem folga no Orçamento para o corrente ano. Conversei com o pessoal sobre o Orçamento para o ano que vem. Sei que está bastante longe ainda, mas, por ocasião da feitura do mesmo, obviamente que os servidores serão contemplados com o reajuste salarial merecido” disse o presidente, em entrevista à Rádio Jovem Pan.

A Lei de Responsabilidade Fiscal proíbe atos semelhantes, que impliquem aumento de despesa com pessoal após o fim de um mandato.

Já o ministro da Economia, em evento organizado pelo banco Credit Suisse na semana passada, criticou essa transferência de responsabilidade e relembrou que o governo atual teve que conceder aumentos prometidos na gestão de Michel Temer:

“Isso é muito irresponsável. Um governo não pode condenar o governo seguinte a dar um aumento de salários. Isso é absurdo. Agora se sentiram à vontade para fazer isso, me obrigaram a dar o aumento”, disse Paulo Guedes.

Reajuste em hora ruim

O ministro já havia declarado contrariedade ao reajuste para servidores em outras ocasiões. No fim de janeiro, ao apresentar o resultado fiscal de 2021, Guedes apontou que o reajuste não vem em boa hora:

“Qual o sentido de pedir reajuste de salário, mesmo agora, quando temos essa crise ainda conosco, nessa variante Ômicron? Temos que ter cuidado com os salários. Porque estamos ainda em guerra, e temos que pagar pela nossa guerra.”

O ministro tentou convencer Bolsonaro a não dar o reajuste para a área de segurança, alertando que a medida poderia causar um efeito cascata, pressionando aumentos para todo o funcionalismo.

MAIS LIDAS

×

Deixe as notícias mais recentes encontrarem você

Você pode ficar a par das melhores notícias financeiras e atualizado dos seus direitos com apenas uma coisa: o seu email!

Amaury Nogueira
Amaury da Silva Nogueira é bacharelando em Letras/Edição pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG). Apaixonado pelo universo da escrita, atua há dois anos como redator e realiza pesquisas sobre história da edição no Brasil. Além disso, atualmente pesquisa também sobre direitos e benefícios sociais para agregar conhecimento na redação do portal de notícias FDR.