Bolsonaro concede aumento de 33% aos professores; clima com Guedes fica tenso

Na tarde de ontem, quinta-feira (27), o presidente da república, Jair Bolsonaro (PL), comunicou que o reajuste de 33,24% no piso salarial dos professores da educação básica será concedido aos profissionais.

O comunicado foi feito pela conta do presidente no Twitter e o aumento considera o valor por aluno, de acordo com a variação da inflação nos últimos dois anos. Essa quantia, assim como o reajuste está previsto na Lei do Magistério.

Segundo o presidente, o reajuste de 33,24% do piso salarial para os professores da educação básica é o maior aumento já concedido pelo Governo Federal, desde o surgimento da Lei do Piso.

Além disso, o chefe do executivo afirmou que mais de 1,7 milhão de professores de estados e municípios serão beneficiados. Com isso, o piso da categoria deverá subir de R$ 2.886 para R$ 3.800.

O reajuste concedido pelo presidente contraria as recomendações do ministro da Economia, Paulo Guedes. O líder da pasta pediu que Bolsonaro limita-se o reajuste salarial em até 7,5%, para não prejudicar o Orçamento Geral da União de 2022.

Porém, diante da decisão de Bolsonaro, o ministro, assim como governadores e prefeitos temem que o reajuste possa pressionar os cofres públicos locais. Além disso, há o medo de que outras categorias do funcionalismo público comecem a exigir reajuste salarial.

É importante lembrar que o governo está sendo pressionado por diversos movimentos para a concessão de reajuste salarial. O movimento começou pelos policiais federais que conseguiram espaço no Orçamento de 2022 para o aumento.

Paulo Guedes havia orientado Bolsonaro em não conceder o aumento, já que a ação poderia gerar um efeito cascata em outras categorias. Mesmo assim, temendo uma greve e o descontentamento dos policiais diante das Eleições de 2022, o aumento foi concedido.

Assim, trabalhadores da Receita Federal e do Banco Central pediram exoneração de cargos comissionados e planejam um calendário de greves. Além disso, outras categorias de servidores públicos estão se movimentando para participar da Crise dos Reajustes.

Para bancar o reajuste concedido aos servidores da Polícia Federal, Polícia Rodoviária Federal e Depen (Departamento Penitenciário Nacional) o governo antecipou a compra das vacinas contra a Covid-19 previstas para 2022.

Assim, o dinheiro reservado pôde ser direcionado para os reajustes salariais dos policiais federais. Com isso, R$ 1,7 bilhão do Orçamento Geral da União deste ano foi reservado para os reajustes salariais dos agentes de segurança.

MAIS LIDAS

×

Deixe as notícias mais recentes encontrarem você

Você pode ficar a par das melhores notícias financeiras e atualizado dos seus direitos com apenas uma coisa: o seu email!

Glaucia Alves
Gláucia Alves é formada em Letras-Inglês pela Universidade Federal Rural de Pernambuco (UFRPE). Atuou na área acadêmica durante 8 anos. Em 2020 começou a trabalhar como corretora de redação. Atualmente, trabalha na equipe do portal FDR, produzindo conteúdo sobre economia e direitos da população brasileira, onde já acumula anos de pesquisa e experiência. Além de realizar consultoria de redação on-line.