Quase metade dos acordos salariais estão abaixo da inflação; saiba o que pode ser feito

De acordo com o Dieese (Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos), cerca de metade dos acordos salariais realizados no último ano ficaram abaixo da inflação.

O Dieese avalia as negociações inseridas na base de dados do Mediador do Ministério do Trabalho desde 2018. De acordo com o órgão, o último ano foi obtido o pior resultado dos últimos quatro anos de análise.

De acordo com o Dieese, cerca de metade dos acordos salariais firmados no ano passado estão abaixo da inflação. Considerando uma série de análise mais longa que iniciou em 1996 o resultado foi o mais fraco desde 2003. Esse levantamento possui uma amostra menor, com apenas 800 categorias.

Segundo o sociólogo Luís Ribeiro, técnico responsável pelo Sistema de Acompanhamento de Contratações Coletivas do Dieese, “Antes de 2018, a gente trabalhava com um painel mais restrito, que incluía as principais negociações”.

Entre 1996 e 2002, o quantitativo de acordos que ficavam abaixo da inflação era cerca de 40%. Já em 2003, enquanto a inflação estava em alta, 58% das negociações ficaram abaixo do INPC. A partir de 2004 até 2014, a maioria das negociações ficou acima da inflação.

Em 2015 esse quadro começou a ficar ruim, devido à recessão, piorando ainda mais com a pandemia e a alta do desemprego em 2020. Segundo o economista da LCA Consultores, Bruno Imaizumi, “É um cenário delicado que resulta da combinação de inflação alta com grande ociosidade no mercado de trabalho”.

A análise feita pelo Dieese em 2021 constatou que 47,7% dos acordos salariais do ano passado ficaram abaixo da inflação medida pelo INPC (Índice Nacional de Preços ao Consumidor) do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística).

O INPC fechou 2021 com alta de 10,16%. Em contrapartida, apenas 15,8% das negociações salariais superaram o INPC. 36,6% dos contratos fecharam com o mesmo valor da inflação acumulada no ano.

Segundo a base de dados do Mediador do Ministério do Trabalho avaliados pelo Dieese, o reajuste médio de 16,3 mil acordos trabalhistas concluídos e inseridas até 6 de janeiro ficou em 0,86% abaixo do INPC.

Esse cenário impacta no consumo, mercado de trabalho e, até mesmo na inadimplência. Com isso, os consumidores brasileiros priorizam a compra de itens básicos e essenciais. Assim, segundo Imaizumi, “É menos dinheiro injetado na economia”.

MAIS LIDAS

×

Deixe as notícias mais recentes encontrarem você

Você pode ficar a par das melhores notícias financeiras e atualizado dos seus direitos com apenas uma coisa: o seu email!

Glaucia Alves
Gláucia Alves é formada em Letras-Inglês pela Universidade Federal Rural de Pernambuco (UFRPE). Atuou na área acadêmica durante 8 anos. Em 2020 começou a trabalhar como corretora de redação. Atualmente, trabalha na equipe do portal FDR, produzindo conteúdo sobre economia e direitos da população brasileira, onde já acumula anos de pesquisa e experiência. Além de realizar consultoria de redação on-line.