Conta Covid oferece crédito emergencial para distribuidoras de energia; conta de luz pode ficar mais cara

Pontos-chave
  • A conta Covid foi um conjunto de empréstimos de quase R$ 15 bilhões repassados em 2020 e 2021 às distribuidoras de energia;
  • Esses empréstimos serão pagos pelos consumidores até 2025, por meio de encargo na conta de luz;
  • No total, 61 distribuidoras de energia receberam um total de R$ 14,8 bilhões de crédito emergencial;

A conta Covid foi um conjunto de empréstimos de quase R$ 15 bilhões repassados em 2020 e 2021 às distribuidoras de energia. Esses empréstimos serão pagos pelos consumidores até 2025, por meio de encargo na conta de luz.

Conta Covid oferece crédito emergencial para distribuidoras de energia; conta de luz pode ficar mais cara
Conta Covid oferece crédito emergencial para distribuidoras de energia; conta de luz pode ficar mais cara (Imagem: montagem/FDR)

A Conta Covid foi um socorro financeiro destinado às distribuidoras de energia e estruturado pelo Ministério da Economia e pelo Ministério de Minas e Energia e aprovado pela agência reguladora em 2020.

No total, 61 distribuidoras de energia receberam um total de R$ 14,8 bilhões de crédito emergencial. O intuito da medida foi ajudar a cobrir o buraco financeiro causado pela queda no consumo de energia e aumento da inadimplência durante a pandemia de Covid-19.

Com esse recurso, os impactos tarifários que seriam repassados aos consumidores puderam ser adiados e parcelados. Com o retorno das atividades econômicas, o custo dos empréstimos passou a ser cobrados dos consumidores desde o ano passado.

O custo está sendo repassado, por meio do grupo de despesas “encargos setoriais”, através do recálculo feito em cada processo de reajuste ou revisão tarifária.

Assim, o preço da conta de luz está mais cara para os consumidores. Por exemplo, a revisão tarifária da Light será de 4,29% em 2022, de acordo com a Aneel (Agência Nacional de Energia Elétrica).

Conta Covid

As 61 distribuidoras participantes da medida terão 60 meses para quitar o empréstimo recebido, por meio de cotas. Assim, essas farão pagamentos periódicos até 2025. A taxa de juros dos contratos é de CDI (Certidão de Depósito Interbancário) + 2,8% ao ano.

Considerando ainda os custos financeiros operacionais, o total anual é de CDI + 3,79%. Como o CDI varia diariamente, não é possível estipular o valor total que será repassado a cada consumidor. Por exemplo, em 2020 o índice fechou em 2,75%, já no ano passado o acumulado foi de 4,42%.

As instituições financeiras Bradesco BBI, Itaú BBA, BNDES, Santander, Banco do Brasil, Credit Suisse, Citibank, Safra, SMBC, Votorantim, Alfa, JP Morgan, BOCOM BBM, CCB, BTG Pactual e ABC Brasil concederam os empréstimos.

Valor repassado as distribuidoras

Cemig 1.404.174.596
Enel São Paulo 1.289.232.809
Light 1.326.043.175
Copel-D 869.516,08
CPFL Paulista 830.176,23
Enel RJ 799.489,09
Elektro 614.291,14
Celesc 583.210,78
Enel Goiás 530.357,30
Celpa 524.216,37
Coelba 499.606,64
Celpe 454.718,53
Enel Ceará 452.943,04
EMT 377.984,58
CEB 367.741,99
EDP SP 354.288,09
Ceal 324.633,69
Amazonas Energia 325.489,95
SEM 296.267,67
Ceron 280.799,40
CPFL Piratininga 249.063,80
Cemar 245.221,85
RGE 241.417,60
CEEE-D 228.304,11
EDP Espírito Santo 219.423,40
Cepisa 199.435,82
ESS 97.396,43
Cosern 95.479,15
EPB 86.991,79
Eletroacre 66.323,69
CPFL Santa Cruz 61.246,59
Roraima Energia 60.303,12
EMG 49.948,76
ESE 46.994,67
ETO 36.560,04
Coopera 24.475,11
ELFSM 21.906,10
Dmed 17.357,93
Certrel 16.500
Ebo 13.157,77
Sulgipe 11.925,30
Creluz 7.975,74
ENF 6.963,40
Ienergia 6.891,93
Eletrocar 6.250,84
Ceriluz 5.763,19
Chesp 5.579,55
Cegero 4.793,80
Cocel 3.742,41
Hidropan 3.673,12
Cergal 3.012,84
Demei 2.980
Uhenpal 2.664,10
Cerci 2.410,77
Ceres 2.372,53
Cedri 1.438,99
Ceral Anitápolis 1.078,55
Eflul 874.120
Muxenergia 774.806
Ceral Araruama 602.000

Conta de luz mais alta que a inflação

Os repasses de encargos, como do empréstimo da Conta Covid, políticas de subsídios e uso de termoelétricas pesaram na conta de luz. Em 2021, a oscilação foi de 21,21% afetando diretamente no gasto mensal dos brasileiros.

A energia elétrica representou 10,65% da variação do Índice Nacional de Preços ao Consumidor (IPCA) no ano passado. Em sete anos, a conta de luz aumentou 137% a mais que a inflação, que foi de 48% durante o mesmo período.

10 dicas para economizar na conta de luz

  • Aproveitar a luz natural: evitar ligar as lâmpadas durante o dia enquanto o sol ajuda iluminando naturalmente é uma ótima dica de economia;
  • Desligue as luzes dos ambientes ao sair: deixar luzes acesas em um ambiente que não esteja habitado no momento é desperdício. Sendo assim, é bom criar o hábito de apagar as luzes ao sair dos ambientes;
  • Tirar os aparelhos eletrônicos da tomada: essa dica além de economizar energia protege os aparelhos de possíveis quedas de energia;
  • Opte por lâmpadas de LED: o consumo é bem menor e a duração é três vezes maior que a lâmpada comum;
  • Troque eletrodomésticos antigos: geralmente os aparelhos mais novos são mais econômicos, compensando a troca em poucos meses;
  • Banhos mais rápidos: o banho quente é responsável pela maior parte do aumento na conta de luz. A dica é tomar banhos mais rápidos;
  • Banhos durante o dia: uma forma de economizar ainda mais no banho é, se possível, tomar banho durante dia e optar pela água fria ou, pelo menos, na opção “Verão”;
  • Aquecedor: esse aparelho é outro vilão na conta de luz. A dica é usar por pouco tempo ou substituí-lo por cobertas mais quentes ou lareiras, caso possua;
  • Boiler elétrico: o aparelho responsável por manter a água da casa tem um consumo de até 346,75 kWh por mês. A dica é desliga-lo nos dias não tão frios;
  • Invista em placas solares: além de ser uma opção sustentável e favorável ao meio-ambiente é um investimento que em poucos anos é compensado.

MAIS LIDAS

×

Deixe as notícias mais recentes encontrarem você

Você pode ficar a par das melhores notícias financeiras e atualizado dos seus direitos com apenas uma coisa: o seu email!

Glaucia Alves
Gláucia Alves é formada em Letras-Inglês pela Universidade Federal Rural de Pernambuco (UFRPE). Atuou na área acadêmica durante 8 anos. Em 2020 começou a trabalhar como corretora de redação. Atualmente, trabalha na equipe do portal FDR, produzindo conteúdo sobre economia e direitos da população brasileira, onde já acumula anos de pesquisa e experiência. Além de realizar consultoria de redação on-line.