Orçamento 2022: Bolsonaro corta verbas para pesquisas, indígenas e quilombolas; saiba mais

O presidente Jair Bolsonaro sancionou ontem (24) o Orçamento 2022, com cortes em diversas áreas, representando R$ 3,18 bilhões a menos em despesas da União. As áreas mais atingidas foram o Ministério do Trabalho e Previdência e o Ministério da Educação, que já passavam por diminuição de recursos nos últimos anos.

Para demarcação de terras indígenas, por exemplo, ação que é realizada pela Funai, o corte foi de R$ 773 mil. Já as ações de proteção aos povos indígenas tiveram um corte ainda maior: R$ 859 mil.

Outro grupo vulnerável teve um corte significativo e proporcional ao seu tamanho no orçamento. Os quilombolas foram prejudicados com um corte de R$ 85 mil em ações de reconhecimento e indenização de territórios.

Cortes semelhantes aconteceram nas áreas de reforma agrária, regularização fundiária e consolidação de assentamentos rurais, que somaram perdas de R$ 170,9 mil.

Já as políticas de combate à violência e desigualdade para mulheres tiveram um veto maior: R$ 945 mil.

Menos recursos para INSS, saúde e educação

Os maiores cortes sancionados pelo presidente Bolsonaro se deram no Ministério do Trabalho e Previdência, que foi recriado no ano passado (havia sido extinto após a posse de Bolsonaro). Do total de R$ 1,005 bilhão perdidos pela pasta, a maior parte foi retirada do INSS: R$ 988 milhões. Esses recursos seriam aplicados em ações administrativas e de processamento de dados.

O Ministério da Educação foi o segundo mais afetado, com um corte de R$ 739,9 milhões. Desse montante, a maior parte, R$ 499 milhões, foram retirados do Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE), responsável pelo fomento da educação básica no país.

Mas outro corte que chama a atenção na canetada do presidente é o que ocorreu em pesquisas científicas. Ao todo, essa área perdeu quase R$ 80 milhões, sendo que R$ 11 milhões iriam para a Fiocruz (Fundação Osvaldo Cruz), responsável pela produção da vacina Oxford/Astrazeneca no Brasil.

Crédito adicional e derrubada dos vetos

Os vetos realizados no orçamento 2022 pelo presidente Bolsonaro podem ainda ser derrubados no Congresso. Essa, inclusive, é a intenção do relator do orçamento na Câmara dos Deputados, Hugo Mota (PSD-SP), que já está em Brasília se reunindo com líderes partidários e com o governo.

Outra possibilidade de reverter ou minimizar danos é o Projeto de Lei abrindo crédito adicional que o governo deverá enviar ao Congresso. Dessa forma, a Comissão Mista de Orçamento analisará o PL e decidirá como os recursos vetados podem ser realocados.

MAIS LIDAS

×

Deixe as notícias mais recentes encontrarem você

Você pode ficar a par das melhores notícias financeiras e atualizado dos seus direitos com apenas uma coisa: o seu email!

Amaury Nogueira
Amaury da Silva Nogueira é bacharelando em Letras/Edição pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG). Apaixonado pelo universo da escrita, atua há dois anos como redator e realiza pesquisas sobre história da edição no Brasil. Além disso, atualmente pesquisa também sobre direitos e benefícios sociais para agregar conhecimento na redação do portal de notícias FDR.