Aluguel mais caro: IGP-M tem 2º maior alta desde 2002; entenda como isso impacta seu bolso

Pontos-chave
  • IGP-M é calcula mensalmente pela FGV;
  • Índice é aplicado a uma série de produtos e serviços de vários setores;
  • IGP-M é responsável por apurar a variação de produtos e serviços

Uma pesquisa recente da Fundação Getúlio Vargas (FGV) mostrou que o Índice Geral de Preços – Mercado (IGP-M) teve um aumento de 0,87% em dezembro, após ter uma variação de 0,02% no mês passado. 

publicidade

Ao fazer uma comparação com anos anteriores da série histórica, é possível notar que no começo de 2002, que está é o segundo maior crescimento do índice, cuja motivação está relacionada ao  consumo da pandemia.

No período de janeiro a dezembro de 2021, o índice conhecido por ‘inflação do aluguel’ acumulou uma alta de 17,78%. Já em dezembro de 2020, o índice estava no patamar de 0,96%, acumulando uma alta de 23,14% em 12 meses, fechando o ano com a maior variação da série histórica. 

Segundo informações divulgadas pelo coordenador de Índices de Preços do FGV, André Braz, os números deste mês absorveram os efeitos da aceleração dos preços bovinos, reflexo da demanda doméstica e da retomada das exportações, bem como da aceleração dos preços de safras afetadas pelas geadas e secas, como no caso do café. 

publicidade

“[Café e açúcar] também ajudam a explicar a elevação de 20,57% acumulada pelo IPA de 2021. Os preços da cana-de-açúcar avançaram 57,13% no ano, enquanto o preço do café subiu 152,35% no mesmo período”, pontuou Braz. 

Neste cenário, o IGP-M se tornou o parâmetro utilizado pelas corretoras de imóveis e locatários na hora de estabelecer os reajustes de contratos sobre imóveis.

Assim, o índice apresenta uma variação dos preços ao consumidor, além de acompanhar o custo dos produtos primários, preços de atacado, matérias-primas e insumos da construção civil. 

Vale mencionar que, diante do avanço da pandemia da Covid-19, no ano passado, o IGP-M superou a inflação oficial do Brasil medida pelo Índice de Preços ao Consumidor (IPCA). 

O que é o IGP-M?

Os economistas contam com uma vasta gama de indicadores para calcular a inflação, e um deles é o IGP-M. A inflação do aluguel é usada para manter os preços deste serviço atuais perante as famílias e as empresas, porém este indicador é bem mais amplo do que isso.

O IGP-M é calculado mensalmente pela FGV, mas além de cálculos mensais o índice também apresenta projeções divulgadas a cada 10 dias. Ele é um desdobramento do Índice Geral de Preços (IGP) criado no ano de 1947 pela mesma instituição.

publicidade

Apesar da evolução o propósito é o mês, registrar as variações dos preços de matérias-primas agropecuárias e industriais, de produtos intermediários e de bens e serviços finais. 

Foi a partir do IGP que surgiu o IGP-M e o Índice Geral de Preços – Disponibilidade Interna (IGP-DI). A diferença entre cada um deles está somente no período de coleta das informações para o cálculo do índice. Mas no final, é o IGP-M que avalia a oscilação de preços no mercado do dia 21 do mês anterior até o dia 20 do mês de referência.

Para que o IGP-M serve? 

O IGP-M serve para medir a inflação do país, em outras palavras, a variação de preços de produtos e serviços. É importante reforçar que o IPCA tem o mesmo papel, embora se apropriem de metodologias distintas. 

publicidade

Este é o medidor mais utilizado em situações específicas, sobretudo, para a correção dos preços nos valores de contratos de aluguel e de energia elétrica. Outros fatores nos quais o IGP-M também tem o costume de ser usado é na atualização de tarifas públicas, planos de saúde, seguros e mensalidades de escolas e universidades.

Como o IGP-M funciona?

Para que o cálculo do IGP-M de um determinado mês possa ser executado, a FGV precisa iniciar a análise dos preços a partir do dia 21 do mês anterior, concluindo no dia 20 do mês de referência. Os setores apurados para a avaliação dos preços são: construção civil, indústria, agricultura, serviços de moradia e varejo.

Antes de o instituto chegar ao resultado final do índice, ele precisa fazer outros três cálculos de subíndices, que são o Índice de Preços ao Produtor Amplo – Mercado (IPA-M), Índice de Preços ao Consumidor – Mercado (IPC-M) e índice Nacional do Custo de Construção – Mercado (INCC-M).

publicidade

MAIS LIDAS

×

Deixe as notícias mais recentes encontrarem você

Você pode ficar a par das melhores notícias financeiras e atualizado dos seus direitos com apenas uma coisa: o seu email!

Laura Alvarenga
Laura Alvarenga é graduada em Jornalismo pelo Centro Universitário do Triângulo em Uberlândia - MG. Iniciou a carreira na área de assessoria de comunicação, passou alguns anos trabalhando em pequenos jornais impressos locais e agora se empenha na carreira do jornalismo online através do portal FDR, onde pesquisa e produz conteúdo sobre economia, direitos sociais e finanças.