Preço da cesta básica aumenta em 9 capitais em dezembro; confira quais são

A pesquisa mensal realizada pelo Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese) indicam que a cesta básica teve aumento em 9 capitais das 17 analisadas neste mês de dezembro.

publicidade

De acordo com a pesquisa do Dieese, esses valores são referentes ao mês de novembro. São ao todo, 17 capitais brasileiras que participam do estudo e que têm o valor médio da cesta básica divulgada, refletindo os impactos da inflação que atinge o Brasil.

Sendo assim, de acordo com a pesquisa, no mês de novembro, 9 das 17 capitais pesquisadas registraram alta no valor da cesta básica. As maiores altas no mês passado foram apuradas em capitais do Norte-Nordeste, com destaque para Recife (8,13%), Salvador (3,76%) e João Pessoa (3,62%). Veja abaixo o ranking:

  • Florianópolis R$ 710,53;
  • São Paulo R$ 692,27;
  • Porto Alegre R$ 685,32;
  • Vitória R$ 668,17;
  • Rio de Janeiro R$ 665,60;
  • Campo Grande R$ 645,17;
  • Curitiba R$ 638,96;
  • Brasília R$ 631,95;
  • Goiânia R$ 599,64;
  • Belo Horizonte R$ 594,97;
  • Fortaleza R$ 580,36;
  • Belém R$ 550,64;
  • Recife R$ 524,73;
  • Natal R$ 521,08;
  • João Pessoa R$ 508,91;
  • Salvador R$ 505,94;
  • Aracaju R$ 473,26.
publicidade

Considerando esses valores, o valor médio no Brasil da cesta básica no mês de novembro ficou em R$ 591,89. Diante disso, para comprar os alimentos básicos para sustentar uma família composto por dois adultos e duas crianças ou três adultos é necessário desembolsar R$ 1.775,67.

Porém, além dos alimentos, uma família precisa de outros mantimentos, como produtos de limpeza e higiene pessoal. Além disso, outras despesas compõem o orçamento familiar, como conta de luz, água, internet e aluguel.

Comparando o mesmo período em 2020, as maiores elevações foram registradas em Curitiba (16,75%), Florianópolis (15,16%), Natal (14,41%), Recife o (13,34%) e Belém (13,18%).

A cesta básica é composta por 13 itens considerados essenciais: carne, leite, feijão, arroz, farinha, batata, tomate, pão, café, banana, açúcar, óleo e manteiga. A quantidade de cada produto varia, conforme a tradição alimentar.

Clique aqui e aperte o botão "Seguir" para você ser o primeiro a receber as últimas informações sobre este assunto no seu celular!

Os principais vilões para o aumento na cesta básica no mês de novembro foram o café em pó (8,19%), o açúcar (6,39%), o óleo de soja (3,22%), a farinha (3,13%), o pãozinho francês (1,01%) e a manteiga (0,20%), segundo o Dieese. Veja abaixo os principais aumentos:

Café em pó Açúcar Óleo de soja
·         Vitória (10,14%); ·         O valor do açúcar aumentou em 15 capitais; ·         Vitória (3,22%);
·         Rio de Janeiro (10,06%); ·         Brasília (2,40%);
·         Campo Grande (9,81%); ·         Campo Grande (2,16%);
·         Curitiba (9,78%). ·         O maior aumento foi no Rio de Janeiro (7,02%). ·         Rio de Janeiro (1,81%);
·         São Paulo (1,76%).
publicidade

MAIS LIDAS

×

Deixe as notícias mais recentes encontrarem você

Você pode ficar a par das melhores notícias financeiras e atualizado dos seus direitos com apenas uma coisa: o seu email!

Glaucia Alves
Gláucia Alves é formada em Letras-Inglês pela Universidade Federal Rural de Pernambuco (UFRPE). Atuou na área acadêmica durante 8 anos. Em 2020 começou a trabalhar como corretora de redação. Atualmente, trabalha na equipe do portal FDR, produzindo conteúdo sobre economia e direitos da população brasileira, onde já acumula anos de pesquisa e experiência. Além de realizar consultoria de redação on-line.