Pensão por morte do INSS: Quando você pode buscar formas de aumentar valor

Pontos-chave
  • Os contribuintes da Previdência Social, assim como seus dependentes, têm direito a Pensão por morte do INSS;
  • Esse benefício serve para atender financeiramente a família do trabalhador, caso esse venha a falecer;
  • Além disso, o benefício é concedido em caso de desaparecimento, com morte declarada judicialmente.

Os contribuintes da Previdência Social, assim como seus dependentes, têm direito a Pensão por morte do INSS. Esse benefício serve para atender financeiramente a família do trabalhador, caso esse venha a falecer.

Pensão por morte do INSS: Quando você pode buscar formas de aumentar valor
Pensão por morte do INSS: Quando você pode buscar formas de aumentar valor (Imagem: Revide)

A Pensão por morte do INSS é um benefício pago todos os meses aos dependentes do contribuinte que veio a falecer. Além disso, o benefício é concedido em caso de desaparecimento, com morte declarada judicialmente.

Os beneficiados pela Pensão por morte do INSS podem conseguir revisão, caso comprovado que houve erro no cálculo. Entretanto, é necessário averiguar se ainda está no prazo para realizar o pedido.

No caso em que o contribuinte falecido não era aposentado, o prazo é de dez anos. Esse prazo passa a contar a partir do primeiro mês seguinte ao primeiro pagamento. Porém, se o contribuinte já era aposentado do INSS, esse prazo começa a partir do primeiro pagamento da aposentadoria.

Geralmente, as revisões das pensões por morte são feitas para incluir períodos ou aumentar os valores das contribuições. Para tanto, é preciso verificar se existem valores e tempos do histórico trabalhista do contribuinte falecido que não foram considerados.

As regras de cálculo para o pagamento da Pensão por morte do INSS são diferentes, caso a morte tenha ocorrido antes ou depois da aposentadoria. A Reforma da Previdência afetou o benefício da pensão por morte que não é mais integral e passou a ter redutores.

Pensão por morte do INSS depois da reforma

Depois da Reforma da Previdência, caso o contribuinte aposentado venha a falecer, o benefício a ser pago pelo INSS será de 50% da aposentadoria que já era recebida, mais 10% por cada dependente do falecido.

Pensão por morte do INSS: Quando você pode buscar formas de aumentar valor
Pensão por morte do INSS: Quando você pode buscar formas de aumentar valor (Imagem: @noxos / freepik)

Porém, nos casos em que o segurado ainda não recebia a aposentadoria, o INSS calcula o valor da aposentadoria por incapacidade que seria de direito dele. Mas o benefício por incapacidade, após a reforma, deixou de ser integral.

Sendo assim, a Pensão por morte será de 60% da média dos salários desde julho de 1994, somados a 2% para cada ano acima de 20 anos de contribuição, para homens, e 15 para mulheres. No final, aplica-se o redutor por dependentes.

Revisões de cálculos para aumentar valor e períodos

Para conseguir o aumento do valor será necessário comprovar que a aposentadoria ou a aposentadoria por invalidez deveria ser maior. Sendo assim, é possível incluir períodos de contribuição ou verbas que aumentem as contribuições.

Veja abaixo os períodos que podem aumentar o tempo total de contribuição e, assim, aumentar o valor recebido na Pensão por morte do INSS ou outro benefício do Instituto:

  • Conversão de tempo especial em tempo comum;
  • Inclusão de tempo rural;
  • Reconhecimento de vínculo trabalhista;
  • Serviço militar;
  • Adicional noturno;
  • Adicional de insalubridade ou de periculosidade;
  • Horas extras;
  • Valor de salário pago por fora.

Parcelas da pensão por morte do INSS

Para ter direito ao recebimento da pensão por morte do INSS é necessário comprovar a dependência econômica. Este pode ser pago aos cônjuges ou companheiros em união estável e divorciado. Nesse caso, a pensão é variável, de acordo com a idade do dependente. Veja abaixo:

Idade do dependente na data do óbito Duração máxima do benefício ou cota
Menos de 21 anos 03 anos
Entre 21 e 26 anos 06 anos
Entre 27 e 29 anos 10 anos
Entre 30 e 40 anos 15 anos
Entre 41 e 43 anos 20 anos
A partir de 44 anos Vitalício

Os divorciados só receberão a pensão, caso tenham direito ao recebimento da pensão alimentícia. Sendo assim, receberão o benefício por quatro meses. Também é considerado dependente:

  • Filhos e enteados menores de 21 anos ou inválidos: desde que não tenham se emancipado;
  • Pais: caso não houver filhos ou cônjuge
  • Irmãos: caso não haja filhos, cônjuge e os pais do segurado não estiverem mais vivos. Nesse caso, os irmãos serão considerados dependentes se tiverem menos de 21 anos ou inválidos.

Os filhos, enteados e irmãos, menores de 21 anos, terão direito de receber o benefício por até três anos ou até completar a maior idade. No caso de dependente que possua deficiência, o pagamento da pensão é vitalício.

Você gostou deste conteúdo? AVALIE:

Avaliação média: 4.6
Total de Votos: 8

Pensão por morte do INSS: Quando você pode buscar formas de aumentar valor

Glaucia Alves
Gláucia Alves, formada em Letras-Inglês pela Universidade Federal Rural de Pernambuco (UFRPE). Foi professora por 8 anos. Em 2020 começou a trabalhar como corretora de redação. Atualmente, trabalha na equipe do portal FDR, produzindo conteúdo sobre economia e direitos da população brasileira, além de realizar consultoria de redação on-line.
×

Este cartão de crédito sem anuidade está selecionando pessoas para receber possível limite agora!

VER AGORA