Alimentos da cesta básica sobem e custam quase 1 salário mínimo em SP

A compra de itens que compõem a cesta básica custa R$ 1.060, ficando próximo do salário mínimo deste ano, que é de R$ 1.100. O levantamento foi realizado pelo Procon-SP e Dieese (Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos) no estado de São Paulo.

Alimentos da cesta básica sobem e custam quase 1 salário mínimo em SP
Alimentos da cesta básica sobem e custam quase 1 salário mínimo em SP (Imagem: Centro Universitário UniFavip|Wyden/Divulgação)

A pesquisa feita pelo Procon-SP e Dieese aponta que os alimentos que compõem a cesta básica custam, no total, R$ 1.060,10 no estado de São Paulo. Com isso, para comprar os alimentos básicos para a sobrevivência familiar é necessário desembolsar quase um salário mínimo.

O preço da cesta básica teve um aumento de 2,08% do mês de maio a junho. No mês de maio, a cesta comprada no estado de São Paulo custava, em média, R$ 1.038,45. Diante disso, é possível perceber que o aumento foi de R$ 21,65.

De acordo com o levantamento do Procon-SP em parceria com o Dieese, os principais itens que geraram aumento na cesta básica foram os de limpeza (6,34%) e higiene pessoal (4,52%). A alimentação também teve alta de 1,65%, contribuindo para o aumento do preço da cesta.

Nos últimos seis meses, a cesta em São Paulo teve uma alta de 5,18%, segundo o Dieese e Procon-SP. Especialistas acreditam que os itens irão subir ainda mais durante este ano. Já que a inflação no país está descontrolada.

A cesta comum é composta por 13 itens essenciais: carne, leite, feijão, arroz, farinha, batata, tomate, pão, café, banana, açúcar, óleo e manteiga. Porém, a analisada também possui os itens de higiene pessoal e limpeza de casa.

CONTINUA APÓS A PUBLICIDADE
OPORTUNIDADE
imagem do cartão
Você foi selecionado para ter um cartão de crédito, sem anuidade hoje mesmo.
Faça sua aplicação!
277 pessoas solicitando no momento...

A cesta mais simples está custando no Brasil, em média, por R$ 556,34. Porém, o preço varia em cada capital sendo que no mês de junho o valor mais alto foi encontrado em Florianópolis, onde custava R$ 645,38.

O município de Porto Alegre ocupou a segunda posição com a cesta básica mais cara por R$ 642,31. Seguido por São Paulo, com uma cesta de R$ 626,76 e Rio de Janeiro com os itens chegando a R$ 619,24.

A cesta mais barata foi encontrada em Salvador, tendo em média o valor de R$ 467,30. Segundo o Dieese, no acumulado de seis meses, sete capitais mostraram queda na cesta básica, tendo Belo Horizonte atingido a melhor situação, com – 6,42%. As outra foram: Salvador, Goiânia, Campo Grande, SP, RJ e Brasília

Glaucia Alves
Gláucia Alves, formada em Letras-Inglês pela Universidade Federal Rural de Pernambuco (UFRPE). Foi professora por 8 anos. Em 2020 começou a trabalhar como corretora de redação. Atualmente, trabalha na equipe do portal FDR, produzindo conteúdo sobre economia e direitos da população brasileira, além de realizar consultoria de redação on-line.