Valor da cesta básica diminui em pelo menos 9 capitais do Brasil

Um novo levantamento foi feito pelo Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese). A Pesquisa Nacional de Cesta Básica e Alimentos apurou os preço da cesta básica em 17 municípios brasileiros de todas as regiões. 

Valor da cesta básica diminui em pelo menos 9 capitais do Brasil
Valor da cesta básica diminui em pelo menos 9 capitais do Brasil (Imagem: Prefeitura de Paulínia/Divulgação)

Após um longo período, sobretudo, desde o início da pandemia da Covid-19, uma queda notável foi identificada no preço da cesta básica de nove capitais brasileiras.

No topo da lista com as maiores quedas está a cidade de Goiânia com -2,23%, seguida de São Paulo com -1,51%. Em terceiro lugar está a capital mineira Belo Horizonte com -1,49% e por último Campo Grande, com -1,43%.

Em contrapartida, a cesta básica teve um aumento expressivo na capital cearense Fortaleza, com 1,77%, logo após vem Curitiba com 1,59% e Florianópolis com 1,42%.

Nota-se que a cesta básica mais cara do país continua sendo a de Florianópolis diante do valor de R$ 645,38. Em Porto Alegre a situação não é muito diferente, pois o preço cobrado é de R$ 642,31. 

Em terceiro lugar no ranking de cestas básicas mais caras está a capital Paulista cobrando R$ 626,76. Na sequência vem o Rio de Janeiro com R$ 619,24 e Curitiba que colocou o valor de R$ 618,57 na cesta básica catarinense.

No final da lista geral estão Salvador e Aracaju com os preços mais baixos, R$ 467,30 e R$ 470,97, respectivamente. 

A variação de valores, tanto para o mais caro quanto para o mais barato, acontece em virtude de determinados alimentos como a batata, diante do percentual de -17,89% em maio. O segundo alimento mais barato é o tomate com -16,14% seguido da banana com -4,19%.

Em junho especificamente, os itens com o preço mais alta de acordo com o Dieese foram o açúcar refinado em 7%, a manteiga em 2,87% e o leite integral com 2,46%. Em contrapartida, os produtos mais baratos foram os laticínios devido à baixa oferta do leite no campo junto ao aumento no custo de produção.

Nos últimos 12 meses, a inflação da cesta básica de alimentos foi afetada por um aumento superior a 20% em boa parte das capitais brasileiras. Uma possível e principal explicação para esta mudança drástica no cenário, se refere à queda ou redução na renda das famílias brasileiras que têm sofrido diretamente os impactos econômicos provenientes da pandemia da Covid-19. 

Outro fator que influencia no poder de compra da cesta básica e vários outros produtos e serviços está relacionado ao salário mínimo vigente que é de R$ 1.100.

De acordo com um estudo recente feito pelo Dieese apontou que o valor ideal para sustentar uma família composta por dois adultos e duas crianças deveria ser de R$ 5.421,84, em junho de 2021.

MAIS LIDAS

×

Deixe as notícias mais recentes encontrarem você

Você pode ficar a par das melhores notícias financeiras e atualizado dos seus direitos com apenas uma coisa: o seu email!

Laura Alvarenga
Laura Alvarenga é graduada em Jornalismo pelo Centro Universitário do Triângulo em Uberlândia - MG. Iniciou a carreira na área de assessoria de comunicação, passou alguns anos trabalhando em pequenos jornais impressos locais e agora se empenha na carreira do jornalismo online através do portal FDR, onde pesquisa e produz conteúdo sobre economia, direitos sociais e finanças.