Vacinômetro: Top 5 capitais que mais vacinam no Brasil

Pontos-chave
  • Brasil está em 68º lugar no ranking de vacinação nacional;
  • Cinco estados brasileiros se destacam na vacinam da Covid-19;
  • Cerca de 11,79% dos brasileiros já foram imunizados.

Dados obtidos por meio da apuração do consórcio de veículos de imprensa na última quinta-feira, 24, atualizou o vacinômetro do país. Indicando que 11,79% da população brasileira já foi imunizada com as duas doses da vacina contra a Covid-19. Ao todo, foram 24.968.144 doses aplicadas até o momento.

Vacinômetro: Top 5 capitais que mais vacinam no Brasil
Vacinômetro: Top 5 capitais que mais vacinam no Brasil. (Imagem: Reuters)

No que compete somente à primeira dose, o vacinômetro aponta que 68.465.736 pessoas a receberam, ou seja, 32,33% da população brasileira.

De quarta para quinta-feira, a primeira dose atingiu 1.260.148 brasileiros, enquanto a segunda dose alcançou 325.988 cidadãos. Foram 1.586.136 doses aplicadas em um período de 24 horas.

Até então, o mês de junho foi o período com o maior número de doses de vacinas contra a Covid-19 aplicadas. O recorde inicial havia sido batido em abril, com 24,7 milhões de doses em 30 dias.

O vacinômetro referente à campanha de imunização contra a doença no Brasil passou por algumas frustrações quanto ao recebimento e distribuição de vacinas no decorrer de maio.

Contudo, o cenário teve uma retomada significativa no período atual em virtude do cumprimento do calendário de repasses de doses por parte do Ministério da Saúde. A pasta ainda chegou a mencionar que o Brasil tem capacidade para vacinar cerca de 2,4 milhões de pessoas diariamente.

As justificativas dadas quanto à aceleração do vacinômetro no país se relacionam à flexibilização da fila de vacinação após a inclusão de adultos sem comorbidades na campanha de imunização. A chegada de diferentes vacinas contra a Covid-19 também é um fator que tem ajudado bastante neste cenário. 

Na oportunidade, o presidente da Sociedade Brasileira de Imunizações (SBIm), Juarez Cunha, ressaltou que a partir do momento em que o Governo Federal decidiu flexibilizar a vacinação por idade, o esquema vacinal em território brasileiro começou a deslanchar, ainda que em ritmo lento. 

Quando a imunização contemplava somente grupos prioritários, era preciso apresentar uma série de documentações, que nem sempre estavam em posse do cidadão, atrasando o processo devido à busca pelos documentos e comprovação da condição alegada.

A ampliação das faixas etárias no vacinômetro nacional junto à chegada de novas remessas de doses de vacinas contra a Covid-19 permitiu, até mesmo, a antecipação do calendário de vacinação em alguns estados e municípios.

Lembrando que os governos estadual e municipal têm autonomia para fazerem as devidas alterações no esquema vacinal de acordo com as condições e necessidades de cada localidade. 

“No final, a gente conseguiu unir tudo isso. A capacidade de vacinar, tendo mais vacina, e uma facilidade na burocracia, na logística de chamar a população [para os postos de vacinação]”, completou Juarez Cunha. 

Mesmo diante de todas as mobilizações, o Brasil se encontra no 68º lugar do ranking global de aplicação de doses da vacina contra a Covid-19. Em determinado momento desde que o vacinômetro começou a rodar, o país já alcançou o 56º lugar do ranking. 

Embora a vacinação da Covid-19 não tenha tido muitos avanços ao analisar o cenário geral em comparação a outros países, algumas localidades específicas se destacam quanto à imunização contra a Covid-19.

É o caso dos estados do Rio Grande do Sul com 38,45%; Mato Grosso do Sul com 38,8%; São Paulo com 37,18%; Espírito Santo com 36,73% e Paraná com 35,9%. Veja a seguir mais alguns detalhes do vacinômetro nessas unidades federativas.

Rio Grande do Sul 

No Rio Grande do Sul (RS), a primeira dose da vacina da Covid-19 já foi aplicada em 4.391.969 cidadãos, mediante 52,64% das doses recebidas pelo Estado. Enquanto isso, a segunda dose responsável por completar o esquema vacinal atingiu 1.765.152 gaúchos através de 21,16% das doses recebidas pelo Governo Estadual.

Mato Grosso do Sul 

Já no Mato Grosso do Sul (MS), 1.090.099 pessoas foram imunizadas com a primeira dose, após o Estado redirecionar 67,49% das doses recebidas para a fase inicial da vacinação. Por outro lado, a segunda dose já chegou a 440.026 cidadãos, mediante 27,24% das doses recebidas pela unidade federativa.

São Paulo

O Estado de São Paulo está em terceiro lugar no top 5 de capitais que mais vacinam no Brasil. Em SP 17.211.165 paulistas já receberam as 72,47% das doses da vacina contra a Covid-19 voltadas à fase inicial da imunização. Em contrapartida, 25,49% das doses recebidas pelo Estado foram redirecionadas para a conclusão do esquema vacinal de 6.053.529 paulistas.

Espírito Santo 

O Estado do Espírito Santo (ES) está no penúltimo lugar desta lista. Até agora, 1.492.605 capixabas já receberam a primeira dose da vacina contra a Covid-19, ou seja, 61,19% das doses recebidas pelo Governo Estadual até o momento. Por outro lado, o esquema vacinal já foi concluído junto a 512.463 mil cidadãos através de 21,01% das doses adquiridas pelo Estado.

Paraná

A última posição é ocupada pelo Paraná (PR), que já conseguiu aplicar a primeira dose da vacina contra a Covid-19 em 59,76% da população paranaense, ou seja, 4.041.404 cidadãos. Enquanto isso, o Estado reservou 19,51% do total de doses obtidas para a aplicação da segunda dose, que já atingiu 1.319.679 pessoas.

Vacinômetro: Top 5 capitais que mais vacinam no Brasil
Vacinômetro: Top 5 capitais que mais vacinam no Brasil. (Imagem: REUTERS/Dado Ruvic)

Top 5 capitais

Se tratando de capitais brasileiras, estas são algumas das que estão à frente no vacinômetro nacional:

São Paulo

Apesar de ter enfrentado problemas quanto ao esgotamento de doses no último fim de semana, a Prefeitura de São Paulo (SP) retomou o calendário de vacinação e tem atendido adultos na faixa etária de 47 anos desta sexta-feira, 25, em diante. Na próxima semana será a vez dos paulistas com 46 anos de idade. 

Aqueles que desejarem, podem acompanhar o ritmo da vacinação em cada posto da capital paulista através do aplicativo De Olho Na Fila. Além disso, a administração municipal recomenda que se faça o pré-cadastro no portal Vacina Já para acelerar os atendimentos. 

Rio de Janeiro

Enquanto isso, a capital carioca começou nesta sexta-feira, 25, a imunização de mulheres com 48 anos de idade ou mais, bem como de gestantes e puérperas. Os profissionais que atuam na limpeza urbana do Rio de Janeiro também fazem parte do atual grupo incluído na vacinação contra a Covid-19 no RJ. 

Curitiba

Já a Prefeitura de Curitiba autorizou a imunização de adultos com 49 anos a partir de hoje, 25. Também podem ser imunizados os cidadãos com 48 anos completos ou mais no próximo sábado, 26. A ampliação do esquema vacinal se tornou possível após a cidade receber um novo lote contendo 56 mil doses de vacinas contra a Covid-19.

Porto Alegre

Enquanto isso, a Secretaria Municipal de Saúde de Porto Alegre informou que a cidade deve receber um novo lote com doses do imunizante ainda nesta sexta-feira, 25. Por enquanto, está mantida a vacinação somente de pessoas que irão receber a segunda dose da vacina contra a Covid-19. 

Cuiabá

Em último lugar está a Prefeitura de Cuiabá, que também é uma das capitais contempladas por uma nova remessa de doses de vacinas contra a Covid-19.

No momento, a cidade se concentra na imunização de lactantes, cidadãos com a segunda dose da Coronavac atrasada e profissionais da educação que atuam no ensino básico.

Gostou do conteúdo? Siga @fdrnoticias no Instagram e FDR.com.br no Facebook para ver as últimas notícias que impactam diretamente no seu bolso e nos seus direitos.

MAIS LIDAS

×

Deixe as notícias mais recentes encontrarem você

Você pode ficar a par das melhores notícias financeiras e atualizado dos seus direitos com apenas uma coisa: o seu email!

Laura Alvarenga
Laura Alvarenga é graduada em Jornalismo pelo Centro Universitário do Triângulo em Uberlândia - MG. Iniciou a carreira na área de assessoria de comunicação, passou alguns anos trabalhando em pequenos jornais impressos locais e agora se empenha na carreira do jornalismo online através do portal FDR, onde pesquisa e produz conteúdo sobre economia, direitos sociais e finanças.