Ministro promete aumentar Bolsa Família ao admitir valor baixo no auxílio emergencial

O novo ministro da Cidadania, João Roma, promete aumentar Bolsa Família ao admitir valor baixo no auxílio emergencial. A declaração foi feita após o anúncio dos valores do benefício nesta quinta-feira, 18, reconhecendo que não é o ideal para amparar a população em situação de vulnerabilidade social. 

Ministro promete aumentar Bolsa Família ao admitir valor baixo no auxílio emergencial
Ministro promete aumentar Bolsa Família ao admitir valor baixo no auxílio emergencial. (Imagem: Reprodução/Google)

Porém, o ministro alega que a parcela média de R$ 250,00 é a quantia que o Governo Federal consegue disponibilizar no momento.

Lembrando que nesta nova rodada do auxílio emergencial, os beneficiários que residem sozinhos vão receber R$ 150,00. Enquanto isso, as mães chefes de família serão contempladas pelo valor de R$ 375,00.

Os pagamentos estão previstos para ocorrer nos meses de abril, maio, junho e julho. Nesta nova rodada do auxílio emergencial, cerca de 46 milhões de famílias serão beneficiadas. Na oportunidade, o ministro da Cidadania afirmou a intenção de elevar o valor médio do Bolsa Família, que hoje é de R$ 190,00

Entretanto, é importante dizer que essa possível alteração no recurso do Bolsa Família deve acontecer somente no mês de agosto. Ou seja, após o pagamento da última parcela do auxílio emergencial.

Entretanto, a nova quantia a ser ofertada pelo Bolsa Família ainda não foi definida, embora a previsão seja para ampliar o número de beneficiários no programa de transferência de renda. 

“Na próxima semana nós vamos publicar o calendário com todas as informações acerca do recebimento do auxílio emergencial, que será feito de forma cadenciada. Deve ter início no início de abril. Vamos começar pagando para o público que não está no Bolsa Família”, declarou o ministro João Roma.

Questionado sobre a possibilidade de o auxílio emergencial ser prolongado além dos quatro meses previstos, ele disse que esta medida iria requerer uma nova Proposta de Emenda à Constituição (PEC).

Em complemento, também seria preciso estabelecer uma nova fonte de recursos. “Vamos executando essas tarefas e auscultando o que vier da nossa sociedade”, alegou. 

O ministro João Roma reforçou que o cumprimento efetivo do auxílio emergencial é a prioridade dele no momento.

Ao concluir esta etapa com vigor, a pasta passará a tomar as devidas providências para planejar como será o amparo à população em um futuro próximo. Ele ainda reforçou que a proposta principal é a readequação do Bolsa Família. 

“Nós pretendemos que o valor aumente e queremos rever o programa para que ele seja mais efetivo. Talvez, com alguns outros ingredientes. Estudamos aliar o benefício financeiro a outras políticas públicas”, finalizou João Roma.

Laura AlvarengaLaura Alvarenga
Laura Alvarenga é graduada em Jornalismo pelo Centro Universitário do Triângulo em Uberlândia - MG. Iniciou a carreira na área de assessoria de comunicação, passou alguns anos trabalhando em pequenos jornais impressos locais e agora se empenha na carreira do jornalismo online através do portal FDR