Fecomércio-RJ pede por volta do auxílio emergencial após queda nas vendas

O Instituto Fecomércio-RJ realizou uma pesquisa no mês de janeiro e constatou que a situação das vendas irá piorar, ainda mais, após o fim dos pagamentos do auxílio emergencial. As últimas parcelas foram sacadas no primeiro mês do ano.

Fecomércio-RJ pede por volta do auxílio emergencial após queda nas vendas
Fecomércio-RJ pede por volta do auxílio emergencial após queda nas vendas (Imagem: Reprodução/Google)

O auxílio emergencial deixou de ser pago em dezembro de 2020, porém, o Ciclo 5 e 6 só puderam sacar o valor depositado na Conta Poupança Social agora em janeiro de 2021.

Além disso, o Ministério da Cidadania liberou mais um lote para 196 mil novos beneficiários que contestação em novembro e dezembro, ou que tiveram o pagamento reavaliado em janeiro.

Com isso, parte da população obtiveram recursos para realizar compras e manter a família em 2020. Porém, a redução, no quantitativo de beneficiário do auxílio, já fez com que o comércio sentisse o impacto nas vendas e, portanto, os comerciantes acreditam que a situação irá piorar.

Segundo uma pesquisa realizada pelo Instituto Fecomércio-RJ, um terço dos empresários do Rio de Janeiro, acreditam nessa piora nos próximos meses de 2021, já que não há nenhum programa que irá substituir o auxílio.

De acordo com o presidente da Fecomércio-RJ, Antonio Florencio de Queiroz Junior, a retomada do pagamento do auxílio emergencial volte a ser debatido no Congresso Nacional ou que seja encontrada  uma outra solução.

Queiroz Junior afirma que é extremamente importante elaborar um pacote financeiro que tenha a capacidade de salvar a economia do país em 2021. Além disso, disse que o pedido para o retorno do auxílio não é uma solicitação sem fundamentos, já que os dados mostram o impacto do fim dos pagamentos.

De acordo com o Datafolha, quase 70% dos brasileiros que foram beneficiados pela ajuda financeira não encontraram outra fonte de renda para substituir o pagamento. Isso acontece devido à 2ª onda da pandemia de Covid-19 e o retorno das restrições sociais mais severas em quase todos os estados do país.

Segundo Queiroz Junior, essa falta de dinheiro impactará, diretamente, as vendas do comércio e ocasionará em uma forte depressão econômica, que atingirá todos os demais setores.

Dessa maneira, é imprescindível que o governo comece a agir, para que não haja um agravamento da economia, ainda pior que o ano passado.

MAIS LIDAS

×

Deixe as notícias mais recentes encontrarem você

Você pode ficar a par das melhores notícias financeiras e atualizado dos seus direitos com apenas uma coisa: o seu email!

Glaucia Alves
Gláucia Alves é formada em Letras-Inglês pela Universidade Federal Rural de Pernambuco (UFRPE). Atuou na área acadêmica durante 8 anos. Em 2020 começou a trabalhar como corretora de redação. Atualmente, trabalha na equipe do portal FDR, produzindo conteúdo sobre economia e direitos da população brasileira, onde já acumula anos de pesquisa e experiência. Além de realizar consultoria de redação on-line.