Veja os novos valores de benefícios do INSS com reajuste de 5,45%

Na última quarta-feira (13), o Ministério da Economia divulgou o reajuste das aposentadorias e benefícios do INSS (Instituto Nacional do Seguro Social) para quem recebe acima de um salário mínimo. Esse aumento faz com que o teto dos benefícios do INSS passe de R$ 6.101,06 para R$ 6.433,57.

Novos valores de benefícios do INSS com reajuste de 5,45% sobre os salários
Novos valores de benefícios do INSS com reajuste de 5,45% sobre os salários (Imagem: Sérgio Lima/Poder 360)
publicidade

Esse reajuste das aposentadorias e benefícios tem como base o Índice Nacional de Preços ao Consumidor. Esse indicador possui o cálculo realizado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística.

O piso do INSS para os beneficiários que recebem o valor mínimo será de R$ 1.100,00, seguindo o reajuste do salário mínimo para 2021. Para este ano, o governo aumentou esse valor em 5,29%.

A quantia mínima vale para as aposentadorias, pensões por morte, auxílio-doença e auxílio-reclusão, entre outros.

Reajuste para quem teve benefícios do INSS em 2020

As pessoas que tiveram o benefício em 2020 terão o reajuste de acordo com o mês em que teve direito a receber o pagamento. Confira o percentual de reajuste conforme o a data de início do benefício:

  • Até janeiro de 2020 — reajuste de 5,45%
  • Em fevereiro de 2020 — reajuste de 5,25%
  • Em março de 2020 — reajuste de 5,07%
  • Em abril de 2020 — reajuste de 4,88%
  • Em maio de 2020 — reajuste de 5,12%
  • Em junho de 2020 — reajuste de 5,38%
  • Em julho de 2020 — reajuste de 5,07%
  • Em agosto de 2020 — reajuste de 4,61%
  • Em setembro de 2020 — reajuste de 4,23%
  • Em outubro de 2020 — reajuste de 3,34%
  • Em novembro de 2020 — reajuste de 2,42%
  • Em dezembro de 2020 — reajuste de 1,46%

Mudança na tabela de recolhimento do INSS

O Ministério da Economia também realizou mudança nos valores de base para a contribuição progressiva dos trabalhadores ao INSS.

Esses reajustes valem para empregados com carteira assinada, trabalhadores domésticos e trabalhadores avulsos. Confira as alíquotas:

  • Quem ganha até R$ 1.100,00 — alíquota de 7,5%
  • Quem ganha entre R$ 1.100,01 até R$ 2.203,48 — alíquota de 9%
  • Quem ganha entre R$ 2.203,49 até R$ 3.305,22 — alíquota de 12%
  • Quem ganha entre R$ 3.305,23 até R$ 6.433,57 — alíquota de 14%

Por serem alíquotas progressivas, os percentuais incidem apenas sobre a parcela do salário correspondente a cada faixa de cobrança.

Sendo assim, quem ganha R$ 2 mil, por exemplo, pagará 7,5% da faixa de R$ 1,1 mil e 9% dos R$ 900 restantes.

AvatarSilvio Souza
Silvio Suehiro Souza é formado em Comunicação Social - Jornalismo pela Universidade de Mogi das Cruzes (UMC). Possui experiência em produção textual e, atualmente, dedica-se à redação do portal FDR.