Vacina da COVID-19 na internet? Procon alerta sobre golpes e como se proteger

Pandemia do novo coronavírus vira motivo para golpe. Nessa semana, o Procon São Paulo informou que há mais uma fraude na internet. De acordo com o órgão, há sites anunciando a venda de caixa de vacinas sem que haja a autorização dos serviços de saúde.

Vacina da COVID-19 na internet? Procon alerta sobre golpes e como se proteger (Imagem: Google)
Vacina da COVID-19 na internet? Procon alerta sobre golpes e como se proteger (Imagem: Google)
publicidade

A aplicação da vacina contra o novo coronavírus tornou-se o principal desejo da população ao redor do mundo. Com diversos países, como o Reino Unido, já em fase de aplicação, os brasileiros estão ansiosos para adquirir o medicamento. No entanto é preciso tomar cuidado com os golpes.

Sites anunciam venda falsa da vacina

Diante do desejo da população de tomar o medicamento, quadrilhas passaram a criar paginas falsas na internet anunciando a venda do produto. Em um dos sites, intitulado Farmácia 24h, os usuários são convidados a fazer a compra de uma caixa de vacina chinesa Sinovac pelo preço de R$ 98.

No anuncio, há ainda informações falsas como a certificação do instituto Butantan. Além disso, há o convite para aderir ao frete grátis. A equipe do Procon informa que nem o site, nem o endereço informado é verdadeiro. O órgão vem trabalhando para tirar a página do ar e evitar um grande número de vítimas.

“As pessoas, diante da grave situação que estamos vivendo, adquirem essas vacinas que, obviamente, não serão entregues. Trata-se de um golpe, de uma empresa que não existe, que abusa do medo e insegurança dos cidadãos. Isso é crime e o Procon-SP vai atuar junto com a Polícia Civil”, afirmou em nota Fernando Capez, diretor executivo do Procon-SP.

O caso deverá ser encaminhado para a Divisão de Crimes contra o Consumidor da Polícia Civil sendo tomadas todas as providências no âmbito criminal.

Sobre o processo de vacinação no Brasil

A previsão é de que a vacina passe a ser aplicada entre os meses de fevereiro e março. Inicialmente o governo informou que deverá priorizar as pessoas do grupo de risco, sendo idosos com mais de 65 anos e doentes.

Porém, nessa semana, o presidente Jair Bolsonaro anunciou que o governo deverá parar de comprar seringas até que o preço do produto seja estabilizado. Diante disso, cogita-se a possibilidade de o plano de vacinação ser novamente adiado.

Eduarda AndradeEduarda Andrade
Maria Eduarda Andrade é mestranda em ciências da linguagem na Universidade Católica de Pernambuco e formada em Jornalismo pela mesma instituição. Enquanto pesquisadora, atua na área de políticas públicas, economia criativa e linguagens. No mercado de trabalho, já passou por veículo impresso, sendo repórter do Diario de Pernambuco, além de ter assessorado marcas nacionais como a Devassa, Heineken, Algar Telecom e o Grupo Pão de Açúcar. Atualmente, dedica-se à redação do portal FDR.