Cuidado! Criminosos usam leilão de veículos para aplicar golpes pela internet

Novo golpe na praça. Quadrilhas estão elaborando falsos sites de leilão para roubar dinheiro de compradores. Uma reportagem do portal O Globo revelou que há uma nova modalidade de furto virtual circulando pela internet. O leilão de carros está sendo anunciado em páginas principais do Google, mas nada mais é do que uma fraude para levar o dinheiro do participante.  

publicidade
Cuidado! Criminosos usam leilão de veículos para aplicar golpes pela internet (Imagem: Google)
Cuidado! Criminosos usam leilão de veículos para aplicar golpes pela internet (Imagem: Google)
publicidade

Uma das principais vantagens de participar de um leilão é a possibilidade de poder arrematar um bem com o custo bem abaixo do valor estipulado pelo mercado.

Porém, é preciso ficar atento. Há sites que estão simulando o serviço para aplicar golpes nos participantes e levar todo o seu dinheiro.  

Assistente de pós-produção Estevão Goldani, de 31 anos, está entre o grupo dos que foram vítimas da quadrilha. Ele concedeu uma entrevista ao portal O Globo.

Há um tempo ele decidiu comprar um novo carro, mas optou pelos leilões por saber que o preço seria mais baixo do que os estipulados em concessionárias.

Desse modo, deu início a uma série de pesquisas no Google e achou um site com o valor atraente onde fez seu cadastro.  

Estevão explicou que a página parecia 100% segura e confiável. Havia serviço de localização, exibição do local onde os carros estariam guardados e até mesmo vínculo com uma página da Receita Federal. Desse modo, ele efetuou sua compra e foi surpreendido negativamente.  

— A página era perfeitamente construída, o layout era bem trabalhado e a mecânica, perfeita. Dentro da mesma, tinha até um link para o Google Street View, que te permitia ver o suposto pátio de veículos deles. Para dar os lances você tinha até que enviar sua ID, frente e verso por email. Quando arrematei o carro, alegadamente do banco PAN, eles me mandaram as instruções de pagamento, um termo de arrematação e um link, para uma página falsa da Receita Federal, que mostrava que o CNPJ era idôneoPor fim, o pagamento era feito à vista, como em todos os leilões e o dinheiro transferido para o suposto representante financeiro autorizado pela empresa, provavelmente um dos golpistas — explicou. 

Ao solicitar a documentação do automóvel, Estevão não obteve retorno da empresa. Nisso, deu início a uma série de tentativas de contato e foi quando, por busca também na internet, viu queixas contra o site percebendo que teria caído em um golpe.  

— Naquele momento fiquei sem chão e já sabia que tinha sido vítima de golpe. Me certifiquei quando descobri que a garagem que eles diziam que eram deles pertencia a outra empresa, na verdade — lembra. 

Até o momento ele não teve um retorno legal e está tentando negociar com o Santander, seu banco onde fez a transferência, para obter o reembolso. 

Eduarda AndradeEduarda Andrade
Maria Eduarda Andrade é mestranda em ciências da linguagem na Universidade Católica de Pernambuco e formada em Jornalismo pela mesma instituição. Enquanto pesquisadora, atua na área de políticas públicas, economia criativa e linguagens. No mercado de trabalho, já passou por veículo impresso, sendo repórter do Diario de Pernambuco, além de ter assessorado marcas nacionais como a Devassa, Heineken, Algar Telecom e o Grupo Pão de Açúcar. Atualmente, dedica-se à redação do portal FDR.