Volta às aulas em Niterói fica bloqueada por ordem da Justiça

As escolas particulares foram autorizadas pela prefeitura de Niterói a oferecer atividades presenciais. Porém, a volta às aulas só duraram dois dias, até uma ordem da Justiça, feita na tarde de ontem, terça-feira (22), suspender o retorno dos alunos.

publicidade
Volta às aulas em Niterói é bloqueada por ordem da Justiça
Volta às aulas em Niterói é bloqueada por ordem da Justiça (Imagem: Reprodução/Google)
publicidade

Quatro escolas particulares de Niterói no Rio de Janeiro retornaram as atividades presenciais para as turmas de Ensino Médio, após a permissão da prefeitura. Porém, uma decisão judicial suspendeu a permissão e, agora, as aulas estão suspensas.

A prefeitura de Niterói informou que ainda não foi notificado sobre nenhuma decisão. Segundo a juíza Mirella Correia de Miranda, da 3ª Vara Cível do Tribunal de Justiça (TJ-RJ), o município deve “expedir quaisquer atos normativos e/ou administrativos no sentido de promover o retorno às atividades educacionais presenciais das escolas de Ensino Médio das redes públicas e particulares, ainda que de forma facultativa”.

Mesmo com a proibição, o Instituto GayLussac, em São Francisco, reabriu nesta quarta-feira (23). A escola aguarda a notificação da prefeitura, segundo a direção.

“Por enquanto essa decisão só saiu na imprensa. Estamos funcionamento normalmente, porque o decreto é de abertura. Quem decreta que a escola pode ou não estar aberta é a prefeitura. Estamos aguardando a posição dos órgãos oficiais”, justificou a diretora da escola, Luiza Sassi.

A escola tinha como intenção a volta de 10% dos estudantes que funcionaria em forma de rodízio, sendo 70 alunos. Porém, só no ensino médio, a unidade conta com 280 estudantes e quase a metade quis voltar.

A diretora do colégio, Luiza Sassi, afirmou, “Já recebemos muitos e-mails de pais que de início não queriam que os filhos voltassem, mas agora mudaram de posição e querem mudar para híbrido”.

Já as outras três escolas que tinham reabrido decidiram cancelar as atividades, são elas: a Escola Canadense, em Piratininga; e as unidades da rede PH, em Icaraí e Piratininga.

As demais instituições particulares do município não possuíam datas para o retorno das aulas presenciais até o momento da decisão da prefeitura.

A rede Pensi e os Colégios M3 e MV1 não possuem data para o retorno. A direção do Colégio La Salle Abel, em Icaraí, informou que tem como intenção esperar um tempo, após a permissão da reabertura das escolas, até poder avaliar a situação de estabilidade da pandemia.

Já a escola Monsenhor Raeder e o Colégio Niterói realizaram uma pesquisa com os responsáveis e a maioria demostraram não aprovar a volta às aulas.

Glaucia AlvesGlaucia Alves
Gláucia Alves, formada em Letras-Inglês pela Universidade Federal Rural de Pernambuco (UFRPE). Foi professora por 7 anos. Esse ano começou a trabalhar como redatora e como corretora de redação. Atualmente, trabalha na equipe do portal FDR e realiza consultoria de redação on-line.