Auxílio emergencial: Quem vai receber as 4 novas parcelas de R$300?

Ontem, terça-feira (1º de setembro), o Presidente da República, Jair Messias Bolsonaro (sem partido), anunciou a prorrogação do auxílio emergencial por mais quatro meses, porém com um valor reduzido de R$300.

publicidade
Auxílio emergencial: Quem vai receber as 4 novas parcelas de R$300?
Auxílio emergencial: Quem vai receber as 4 novas parcelas de R$300? (Imagem: Montagem/FDR)
publicidade

O auxílio emergencial foi criado em abril pelo governo de Bolsonaro como intuito de ajudar a parte da população brasileira mais carente a enfrentar a situação de calamidade pública por causa da pandemia de Covid-19.

O benefício é destinado aos trabalhadores informais, desempregados, microempreendedores individuais (MEI), autônomos e beneficiários do Bolsa Família, sendo a princípio, pago R$600 por três meses, porém foi prorrogado por mais dois.

De acordo com a equipe econômica do presidente os custos com o novo benefício foi de R$ 50 bilhões por mês durante a primeira fase do programa.

Agora, com a nova prorrogação, que dispõe de mais quatro parcelas chegando até dezembro, o valor do benefício foi reajustado e diminuído para R$300.

A oficialização da prorrogação acontecerá por meio de Medida Provisória (MP) que terá eu ser aprovada no Congresso Nacional.

Todos que estão recebendo o benefício serão inclusos nas novas parcelas. No entanto, vale dizer que a Controladoria Geral da União (CGU) realiza mensalmente um pente fino para saber quais os cidadãos aptos ao saque.

O anúncio das novas quatro parcelas aconteceu no Palácio da Alvorada e teve a presença do ministro da Economia, Paulo Guedes, e de líderes do governo e de parlamentares. A expectativa é que a MP seja aprovada pelos deputados e senadores.

Auxílio emergencial e a popularidade do presidente

Desde a criação do auxílio emergencial a popularidade do atual presidente do Brasil tem aumentado. Dessa maneira, a gestão incentivou a prorrogação da ajuda financeira e, segundo alguns políticos da oposição, a única intenção é não perder a popularidade.

Seguindo essa versão, a ajuda financeira disponibilizada para os brasileiros durante a pandemia tem desempenhado um papel político de máxima importância para os projetos de reeleição em 2022.

Renda Brasil

A proposta do governo agora é substituir em janeiro o auxílio emergencial pelo programa social Renda Brasil, que põe fim ao Bolsa Família criado na gestão petista. O novo programa irá unir o Bolsa Família, abono salarial, seguro-defeso e salário família.

A ideia é dividir o Renda Brasil em quatro subprogramas. São elas: Primeira Infância, Renda Cidadã, Incentivo ao Mérito e Emancipação Cidadã. Porém, para isso é necessário que Paulo Guedes elabore uma proposta de redução de gastos para bancar a nova despesa.

Glaucia AlvesGlaucia Alves
Gláucia Alves, formada em Letras-Inglês pela Universidade Federal Rural de Pernambuco (UFRPE). Foi professora por 7 anos. Esse ano começou a trabalhar como redatora e como corretora de redação. Atualmente, trabalha na equipe do portal FDR e realiza consultoria de redação on-line.