Planos de saúde: Cobrança a partir de 2021 pode assustar o consumidor

Os planos de saúde foram obrigados a não realizar reajustes durante esse ano devido à pandemia de Covid-19. Porém, de acordo com especialistas, esse valor deve ser cobrado no próximo ano a partir de janeiro.

Planos de saúde: Cobrança a partir de 2021 pode assustar o consumidor
Planos de saúde: Cobrança a partir de 2021 pode assustar o consumidor (Imagem: Reprodução/Google)

Os reajustes anuais dos planos de saúde foram impedidos esse ano devido à pandemia, porém, a partir de janeiro de 2021 será cobrado.

Segundo a Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) é permitido que as empresas façam a cobrança de forma retroativa.

A Agência Nacional de Saúde Suplementar não apresentou regras para essa cobrança, por esse motivo, especialistas acreditam que o valor será muito alto e o boleto pode assustar os clientes, fazendo com que haja uma grande procura da Justiça para resolver problemas contratuais e, provavelmente, a saída ou expulsão de muitos clientes dos planos.

A ANS suspendeu os reajustes de todos os planos de saúde, sejam coletivos ou individuais, até dezembro de 2020. Porém, a agência não deixa claro como será realizado a recomposição dos valores e nem quando.

Segundo especialistas, a retomada da aplicação dos reajustes pode resultar em mensalidades mais altas. Além disso, há grande preocupação em relação à data dessa cobrança, já que nada foi definido, por isso, pode ser cobrado já em janeiro.

A expectativa dos clientes é que ocorra em maio, quando é prevista à data-base, assim como são realizados os reajustes anuais.

De acordo com a nota divulgada pela ANS, os planos individuais terão uma recomposição do reajuste no prazo igual ao da suspensão.

Dessa maneira, quem paga uma mensalidade de R$ 1.000 e teria um reajuste de 25%, porém foi suspenso durante quatro meses, terá que pagar R$ 1.500 por mês até quitar a diferença dos meses de suspensão.

O maior problema, segundo o coordenador do Observatório da Judicialização da Saúde Suplementar do Departamento de Medicina Preventiva da Faculdade de Medicina da USP, Mário Scheffer, é que muitos usuários de planos de saúde tiveram os contratos reajustados antes da medida da ANS durante a pandemia e, por esse motivo, muitas famílias e empresas não conseguiram manter seus planos de saúde durante essa crise.

MAIS LIDAS

×

Deixe as notícias mais recentes encontrarem você

Você pode ficar a par das melhores notícias financeiras e atualizado dos seus direitos com apenas uma coisa: o seu email!

Glaucia Alves
Gláucia Alves é formada em Letras-Inglês pela Universidade Federal Rural de Pernambuco (UFRPE). Atuou na área acadêmica durante 8 anos. Em 2020 começou a trabalhar como corretora de redação. Atualmente, trabalha na equipe do portal FDR, produzindo conteúdo sobre economia e direitos da população brasileira, onde já acumula anos de pesquisa e experiência. Além de realizar consultoria de redação on-line.