A nova nota de R$200 tem o lançamento previsto para o fim de agosto e foram divulgados novos detalhes. Por orientação do Banco Central (BC), a cédula deverá ser cinza com detalhes amarronzados. No entanto, o design ainda precisa ser aprovado pelo BC. O animal que estampará o dinheiro é o lobo guará. As informações são do jornal Folha de S.Paulo. 

publicidade
Nota de R$200 vai estampar lobo guará em cédula na cor cinza
Nota de R$200 vai estampar lobo guará em cédula na cor cinza (Imagem: Reprodução Google)
publicidade

As opções de modelos da nova moeda estão em fases finais de teste. A Casa da Moeda é a responsável pela emissão do Real. 

Veja como é feito

Na primeira etapa, a Casa da Moeda produz o fundo das cédulas, sem textura. Posteriormente, nas etapas 2 e 3, é feita a calcografia. Ou seja, a gravação de imagens em alto relevo. A técnica é feita em cada uma das faces da nota. Logo após, é feita a impressão de itens de segurança para impedir a falsificação da cédula. 

As notas só serão emitidas após a aprovação do Banco Central. A previsão é imprimir 450 milhões de cédulas em 2020. O governo, porém, tem pressa para colocar o dinheiro em circulação. Visto que muitos beneficiários do auxílio emergencial preferem receber o valor em espécie.

De acordo com o Presidente do Sindicato Nacional dos Moedeiros, Roni Oliveira, 40% dos brasileiros não possuem acesso a nenhuma instituição financeira. 

Detalhes da nova cédula 

Imagens da cédula de R$200 ainda não foram divulgadas por questões de segurança. O lobo guará foi escolhido em pesquisa realizada pelo Banco Central, em 2001.

O propósito era permitir que a população escolhesse animais em extinção da fauna brasileira para estampar cédulas. O escolhido da vez foi o terceiro mais votado. Os dois primeiros animais estampam as notas de R$2 e R$20. 

Além da preferência da população por dinheiro em espécie e o número de pessoas distantes das instituições financeiras. Entre os motivos para o lançamento da nova cédula estão a diminuição da circulação do dinheiro, devido ao entesouramento. 

O entesouramento ocorre quando as pessoas passam a guardar dinheiro físico. Isso pode ser explicado pelo medo e a incerteza provocados pela pandemia de coronavírus. O fenômeno está sendo percebido no Brasil e no mundo. 

Dessa forma, o Conselho Monetário Nacional (CMN) aprovou, em 29 de julho, o lançamento da cédula para tentar atender a maior demanda de papel-moeda na pandemia.

Amanda Castro é graduada em Comunicação Social com habilitação em Jornalismo pela Universidade Católica de Pernambuco (UNICAP). É responsável pela área de negócios, tráfego e otimização SEO do portal FDR. Além disso, é também redatora do portal FDR, produzindo pautas sobre economia popular, finanças e programas sociais.