Equipe do governo estuda estender auxílio emergencial até o fim de 2020; veja novo valor

PONTOS CHAVES

  • Auxílio emergencial poderá ser estendido até o mês de dezembro
  • Governo sugere reajuste nas parcelas
  • Bolsonaro vê o programa como estratégia de campanha para reeleição 

Auxílio emergencial pode ser mantido até o fim do ano. Nessa semana, representantes do governo federal anunciaram que a equipe econômica está estudando a possibilidade de prorrogar o pagamento do coronavoucher mediante a permanência da pandemia do novo coronavírus. A decisão ainda precisará ser avaliada pelo Congresso, mas prevê uma redução de R$ 400 nas parcelas, sendo ofertados apenas R$ 200 por cidadão.   

Equipe do governo estuda estender auxílio emergencial até o fim de 2020; veja novo valor (Imagem: Reprodução - Google)
Equipe do governo estuda estender auxílio emergencial até o fim de 2020; veja novo valor (Imagem: Reprodução – Google)

prorrogação do auxílio emergencial vem sendo pauta desde o mês de junho, quando foi finalizada a primeira rodada de pagamentos do auxílio.

De acordo com o seu texto original, validado ainda no mês de abril, o benefício seria ofertado por um período de três meses, no valor de R$ 600, como forma de conter os impactos econômicos da pandemia.  

Entretanto, em junho uma nova renegociação começou a ser feita, com a finalidade de estender o projeto. De acordo com os defensores, tratava-se de uma decisão responsável por tirar mais de 50 milhões de brasileiros da fome e da miséria.

Após uma série de debates e discussões, o presidente Jair Bolsonaro e o ministro da economia Paulo Guedes validaram a ampliação, criando então mais duas parcelas de R$ 600.  

De acordo com o cronograma previsto, o projeto seria finalizado até o mês de outubro. Porém, caso a nova prorrogação seja aprovada, ele deverá permanecer até dezembro, fim do período de calamidade pública motivado pelo novo coronavírus.  

Resistência de Bolsonaro sobre novas parcelas do auxílio emergencial  

Ainda de acordo com fontes internas do governo, ao ser informado sobre a possibilidade de manter o auxílio emergencial, Bolsonaro teria se posicionado contra. De acordo com ele, a União não obtém recursos o suficiente para custear novas parcelas de R$ 600 que resultariam em uma despesa de aproximadamente R$ 50 bilhões.  

Em conversa com Guedes, o chefe de estado avalia a prorrogação do benefício, mas com um valor máximo de R$ 200 por parcela. Atual quantia paga ao Bolsa Família.

No entanto, para que esse reajuste de R$ 400 aconteça, será preciso que o Congresso Nacional apoie a decisão. 

É válido ressaltar que, o presidente da casa, Rodrigo Maia, se mostra totalmente a favor da permanência do auxílio emergencial e já deixou claro, em inúmeras entrevistas, que manter o pagamento de R$ 600 é uma obrigação do governo.  

Bolsonaro e Guedes, ainda em junho, passaram por confrontos políticos tendo em vista a discordância para com o projeto. Desse modo, acredita-se que o presidente da república encontrará uma certa dificuldade na aceitação de sua proposta.  

Benefício como estratégia de campanha 

Segundo integrantes de Brasília, um dos principais motivos pelos quais Bolsonaro está atento ao desfecho do auxílio emergencial diz respeito as possibilidades de ganhar voto. 

Por ser destinado aos brasileiros de baixa renda, o valor representa “dinheiro vivo” em seus bolsos, o que significaria um ganho de pontos de sua gestão para com esse grupo. 

Equipe do governo estuda estender auxílio emergencial até o fim de 2020; veja novo valor (Imagem: Reprodução – Google)

É importante lembrar que, nas eleições de 2018, grande parte dos votos de Bolsonaro foram destinados a pessoas de classe média alta. Dessa forma, ele vem cada vez mais atuando com foco nos centros periféricos e zonas rurais para garantir sua reeleição.  

Trata-se de uma estratégia de campanha, com a finalidade de ampliar seu número e grupo de eleitores, tendo em vista o descontentamento dos empresários com os financiamentos aprovados durante esse período de quarentena.

Outro ponto também negativo para sua imagem são as propostas da reforma tributária que poderá resultar na cobrança de novos impostos para os mais favorecidos. 

Se garantir o auxílio, Bolsonaro pode reformar sua popularidade enquanto presidente para uma reeleição em 2022. 

Posicionamento da Caixa 

Responsável pela administração do auxílio emergencial, a Caixa Econômica garantiu estar preparada para efetuar as liberações em caso de prorrogação.

De acordo com o presidente do banco, Pedro Guimarães, depende apenas de o governo aprovar o projeto.  

“Qualquer que seja a decisão, nós, na Caixa, conseguiremos fazer. Como estamos fazendo o pagamento desde abril, hoje temos um nível de eficiência. Estamos pagando mensalmente, contando com os depósitos de FGTS, mais de 90 milhões de pessoas. Temos total possibilidade de realizar este pagamento”, afirmou.  

Já o Ministério da Economia ainda não se pronunciou a respeito, mas deve publicar uma nota em breve. 

MAIS LIDAS

×

Deixe as notícias mais recentes encontrarem você

Você pode ficar a par das melhores notícias financeiras e atualizado dos seus direitos com apenas uma coisa: o seu email!

Eduarda Andrade
Maria Eduarda Andrade é mestra em ciências da linguagem pela Universidade Católica de Pernambuco, formada em Jornalismo na mesma instituição. Enquanto pesquisadora, atua na área de políticas públicas, economia criativa e linguística, com foco na Análise Crítica do Discurso. No mercado de trabalho, passou por veículo impresso, sendo repórter do Diario de Pernambuco, além de assessorar marcas nacionais como Devassa, Heineken, Algar Telecom e o Grupo Pão de Açúcar. Atualmente, dedica-se à redação do portal FDR, onde já acumula anos de experiência e pesquisas sobre economia popular e direitos sociais.