Gasolina mais cara e com mais eficácia passa a valer hoje (3) no Brasil; veja os impactos

Nova gasolina começa a entrar em circulação. A partir desta segunda-feira (03), os postos de combustíveis passarão a vender uma versão atualizada. O produto foi desenvolvido ao longo das últimas semanas e tem como propósito garantir uma maior durabilidade para os consumidores. Entretanto, seu preço de venda ficará mais elevado do que o valor atual, de aproximadamente R$ 4,70 por litro.   

Auxílio emergencial marca recorde na diminuição do índice de pobreza no Brasil
Gasolina mais cara e com mais eficácia passa a valer hoje (3) no Brasil; veja os impactos (Imagem: Reprodução – Google)

De acordo com a Petrobras, as alterações da gasolina foram destinadas para o produto na categoria tipo C (comum) e premium (utilizada em carros esportivos). 

Desse modo, a aplicação para esse grupo irá se tornar mais cara. No entanto, a estatal garante que a longo prazo apresentará um melhor custo benefício.   

O que mudou na gasolina? 

Agora, o produto passa a contar com uma exigência de massa específica mínima. Isso significa dizer que, a densidade e volume do petróleo ficará mais elevado. Para a gasolina comum, o peso mínimo passou a ser de 715 gramas por litro. Até então esse indicador não existia.  

Everton Lopes, mentor de tecnologia em energia da SAE Brasil (Sociedade de Engenheiros da Mobilidade), explica que, “quando a massa específica é muito baixa, há menor conteúdo energético por litro, então o consumo aumenta”. 

Outro ponto também alterado é no método de contagem da octanagem. Ou seja, quando misturada com o ar, seu risco de explosão foi reduzido.

Tínhamos um padrão parecido com o dos EUA. Medíamos o IAD (índice antidetonante), que é a média entre MON e RON”, garantiu Alex Rodrigues Medeiros, especialista em regulação da ANP. 

Economia por veículo 

Os especialistas alegam ainda que todos os veículos desse grupo passarão a sentir uma redução de seu consumo. De acordo com os estudos realizados até o momento, haverá uma variação de 3% a 6%. 

“Devemos observar uma menor ocorrência de batida de pino ou ignição precoce. Antes, existiam gasolinas leves, voláteis. Quando adicionava o etanol, se tinha um produto com pouca energia, com poucas substâncias que proporcionam a energia necessária no motor”, explicou Medeiros.  

Por fim, do que diz respeito ao custo do abastecimento, este de fato se tornará mais caroA expectativa é que já no mês de agosto o combustível seja reajustado mediante as suas novas especificações. O valor final para o consumidor depende das taxas e correções aplicadas pelos proprietários dos postos. 

MAIS LIDAS

×

Deixe as notícias mais recentes encontrarem você

Você pode ficar a par das melhores notícias financeiras e atualizado dos seus direitos com apenas uma coisa: o seu email!

Eduarda Andrade
Maria Eduarda Andrade é mestra em ciências da linguagem pela Universidade Católica de Pernambuco, formada em Jornalismo na mesma instituição. Enquanto pesquisadora, atua na área de políticas públicas, economia criativa e linguística, com foco na Análise Crítica do Discurso. No mercado de trabalho, passou por veículo impresso, sendo repórter do Diario de Pernambuco, além de assessorar marcas nacionais como Devassa, Heineken, Algar Telecom e o Grupo Pão de Açúcar. Atualmente, dedica-se à redação do portal FDR, onde já acumula anos de experiência e pesquisas sobre economia popular e direitos sociais.